Psicologia nas organizaçoes

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 11 (2690 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 16 de novembro de 2011
Ler documento completo
Amostra do texto
O PSICOLOGIA NAS ORGANIZAÇÕES
Situação da formação e das atividades de trabalho

Reavaliar e propor transformações para que se tente um passo além das denúncias constitui uma responsabilidade ética e política e uma inevitável exposição às críticas, às concordâncias e às discordâncias. Representa também uma tentativa de prestação de contas à sociedade - sociedade que investe para a . geraçãode um profissional descontente com o seu própria papel. Por meio da reflexão que se abre para o debate das comunidades científica e profissional, tem-se uma via para descobertas que possam representar encaminhamentos coerentes com os propósitos daqueles que se preparam para o exercício e daqueles que exercem a Psicologia nas organizações.

A formação e a atuação do psicólogo na realidadebrasileira têm sido objeto de constante estudo. Essas investigações cresceram em quantidade na medida em que um maior número de psicólogos foi colocado no mercado de trabalho, muitas vezes denunciando um desajuste na situação de exercício das atividades profissionais. Quando se verifica o panorama geral desses estudos, incluindo as dissertações, as teses e os livros, percebe-se que a análise das relaçõesentre a formação e a atuação do psicólogo organizacional merece maior atenção.

A precariedade da formação do psicólogo brasileiro tem sido amplamente denunciada e recrudesce progressivamente, desde a instalação dos primeiros cursos. A insatisfação com a qualidade do preparo em Psicologia é generalizada. Queixam-se da insuficiência dos conhecimentos, dá focalização em técnicas ultra-passadas emprejuízo do questionamento da prática e da restrição das alternativas de atuação profissional. "O ensino de Psicologia oferecido no País é bastante fraco, insatisfatório, e, além disso, observa-se uma tendência negativa, ou seja, aparentemente, vem piorando ao longo do tempo" (Gomide, 1988, p. 85).

As inúmeras tentativas de reformulação curricular, iniciadas nas propostas curriculares dadécada de 50 e nunca mais cessadas (nem poderiam cessar), manifestam-se fundamentalmente como tentativas: a estrutura essencial não se altera.' Tornam clara, também, a complexidade de uma questão que não se esgota apenas na modificação curricular. Inúmeras variáveis contextuais e históricas influenciam a educação como realidade, inserida no espaço e no tempo.

Em resumo, alguns fatores são apontadoscomo explicativos do desajuste entre a formação e o exercício das atividades de trabalho. Entre eles, desponta, com freqüência, a criação desenfreada de cursos de Psicologia durante a década de 70, seguindo as políticas educacionais do governo militar, muitas vezes, acarretando a contratação de professores recém-graduados, com conseqüente prejuízo na qualificação dos futuros psicólogos. Ainda hoje,em muitas regiões, a qualificação dos professores está distante de um quadro desejável.
Narrando a história da profissão e dos cursos de Psicologia no Brasil,
Pessotti (1988, p. 30) afirma que "a convivência salutar da Psicologia com as
disciplinas da Filosofia ou das Ciências Sociais foi perdida". Aliada à "proliferação excessiva desses cursos em instituições ineptas, cuja criação foifomentada
pela ditadura militar", ocorreu "uma crescente tecnificação do conteúdo
curricular" (p. 30).

No que tange ao preparo específica do psicólogo organizacional, a rigor parece insatisfatório desde os primeiros cursos instalados no País de modo regulamentar, como atesta Andrade (1966, p. 103) ao constatar que a ampliação do mercado estava sujeita ao maior conhecimento específico pelosprofissionais da área.

Convencionou-se estabelecer o período de 1860 a 1912 como a fase pioneira da Psicologia, desenvolvida sobretudo por Wundt, na Alemanha. A Psicologia do Trabalho emancipou-se da Psicologia Geral na seqüência de desenvolvimento da ciência psicológica. Essa emancipação é marcada pelo lançamento, na Alemanha, de Psicologia e eficiência industrial, seguido de Fundamentos básicos...
tracking img