psicologia institucional

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 10 (2319 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 18 de setembro de 2014
Ler documento completo
Amostra do texto
Psicologia Institucional de Bleger
José Bleger, argentino, médico e psicanalista e professor, desde a década de 60 está presente entre nós com seus estudos sobre psicanálise, Psicologia, Grupos e Instituições.
Suas intervenções são sempre numa perspectiva política, político aqui se entenda como relação de poder que existem na vida dos grupos e das classes sociais. O instrumento de trabalho doentrevistador é ele próprio. Intervenção investigadora.
Ele nos aponta um caráter político da intervenção e um caráter científico.
O caráter político como já dito seriam as relações de poder que transitam à nossa volta, nos grupos nas comunidades enfim na nossa vida. “E o caráter científico:
” na medida em que o objeto de estudo da Psicologia é o homem, o máximo de objetividade que se consegueé aquela que supõe o sujeito que observa como um dos elementos do campo de observação” (Guirado, 1987, p. 03).
Dito isso, para ele o objeto de investigação não é uma unidade com qualidades internas, mas que as qualidades do objeto são sempre relacionais. Dependem das condições e das relações e do momento onde se acha o objeto.
“O conhecimento psicológico será aquele que na relação se faz delaprópria” (Guirado, 1987, p. 3). Conhecimento é intersubjetivo
José Bleger emprega o termo “Psicologia Institucional”, para designar uma determinada prática da psicologia em instituições
Para compreendermos a sua proposta precisamos entender que o psicólogo como profissional deve passar da atividade psicoterápica para a da psico-higiene ( população sadia e promoção de saúde).
Precisamosentender a Psico-Higiene:
Função social do psicólogo, atividades de saúde e vida, desenvolvida junto à população, nos serviços de Saúde Pública, trabalho psicológico na vida cotidiana, visando a promoção de bem estar, uso da psicanálise para compreender a dinâmica inconsciente das relações grupais e institucionais, bem como para o entendimento dos conflitos, defesas e ansiedade nessas relações.
Paraele o atendimento do psicólogo dado fora do consultório é uma necessidade social, não é apenas uma forma diferente de fazer psicologia. É uma maneira de desenvolver um trabalho socialmente mais abrangente, colocando suas práticas e idéias nas comunidades e instituições. Proporcionando aos grupos básicos de interação, a saber, família, escola, trabalho, e as atividades comunitárias condições para avida e saúde, conforme relata Marlene Guirado.
Os modelos da Psicologia Social, de onde emanam as reflexões sobre a Psicologia Institucional, utilizam categorias adequadas ao caráter dos fenômenos das agrupações humanas (interação, comunicação, identificação, etc.) que, em grande parte, têm que ser descobertos e criados.
José Bleger nos aponta uma forma de intervenção psicológica comsignificação social, para isso impõem-se uma passagem dos enfoques individuais para os sociais. A Psicologia Institucional é um modelo que difere da Psicologia Individual.
Nesta, parte-se do indivíduo isolado para explicar as agrupações humanas e aplicam a estas últimas as categorias observáveis e conceituais que correspondem ou se utilizaram para o indivíduo isolado e, desta maneira, explicam-se os grupos,as instituições e as comunidades, pelas características dos indivíduos. Essa nova expressão vem mudar radicalmente uma vertente tradicionalista da psicologia, que costuma ser individualista, tratando o indivíduo de maneira isolada do contexto social.
Promovendo e possibilitando a criação de um vínculo estreito entre o psicólogo e o cotidiano das pessoas, que vivem em bairros ou instituiçõespopulares. O que viabiliza realizar uma mudança a favor da sobrevivência do homem que na sociedade atual vem sofrendo conflitos devido às grandes mudanças nos campos tecnológicos, culturais e sociais. Também nos convida a analisar os fenômenos sociais que provocam cada problema a ser resolvido.
Para o autor a psicologia institucional não é apenas um campo de aplicação da psicologia é um campo...