Psicologia aplicada a pacientes terminais

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 14 (3338 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 8 de maio de 2012
Ler documento completo
Amostra do texto
1 INTRODUÇÃO

A psicologia hospitalar atualmente é um tema em que são poucos os agentes de saúde que sabem ao certo como tratar os seus pacientes. Ao falarmos em paciente terminal o caso se agrava mais ainda, pois exige todo um processo em que não se engloba somente um agente de saúde, mas sim uma equipe interdisciplinar. Esta equipe interdisciplinar vai atuar na prevenção dos graves efeitospsicológicos sociais e físicos da hospitalização e da patologia além de trabalhar com as famílias destes pacientes terminais.
Kipper (1999 apud QUINTANA, 2006) definiu o paciente terminal de acordo com uma condição de irreversibilidade, dando-lhe uma probabilidade de morte em um período curto de tempo entre três a seis meses. Esta definição em si acaba trazendo receios aos profissionais de saúde alidar com estes pacientes sem esperança de vida ou com morte inevitável.
Um fator determinante para a dificuldade da equipe de saúde lidar com estes pacientes terminais é a forma desta se empenhar em lutar contra a doença, trazendo um sentimento de fracasso. Percebemos isto desde a formação destes agentes de saúde, onde ele é “moldado” para vencer, curar, sendo caracterizado como um Deus. Emfator disso, a equipe de saúde já entra derrotado, pois esquece que a morte é maior e mais evidente do que todo o tecnicismo do saber medico. Esta condição de luta acaba se tornando uma tarefa exaustiva, mas por outro lado se o profissional de saúde admitir que não possui nada mais a se fazer passaria uma imagem negativa do profissional, que o abandonou.

1.1 OBJETIVO
1.1.1 OBJETIVO GERAL:Observar as dificuldades do paciente terminal à nível patológico, psicológico e social com base na literatura.

1.1.2 OBJETIVO ESPECIFICO:

a) Saber identificar os estágios psicológicos nos pacientes terminais;
b) Identificar as dificuldades e os principais erros cometidos na psicoterapia destes pacientes.

1.2 JUSTIFICATIVA

Preparar as pessoas que desejam trabalhar ou tercontato direto ou indiretamente com pacientes terminais de forma a oferecer dignidade a estes pacientes. Fazendo jus a um estudo detalhado dos anseios do enfermo. Visando sempre a integração tanto do paciente quanto o da família.

2 A SOCIEDADE E O PACIENTE TERMINAL

Ao falarmos em pacientes terminais inicialmente pensamos nas implicações existentes na sociedade. A sociedade em que vivemos hojerotula a morte como algo ausente e de modo medonho seja para as pessoas enfermas ou não. Kubler-Ross (1975, apud THRUCHARTE 2006) descreve que a morte é um tema evitado e ignorado pela sociedade que adora a juventude e orientada para o progresso.
A origem desse tabu é as primeiras experiências na infância em que a morte é vivenciada pelos adultos de forma traumática. No qual a sociedade tentaesconder a morte e de forma mórbida que não deva ser vivenciado pelas crianças. Estas acabam por perceber o que está acontecendo ao redor e quando confirmada a alteração ocorrida no lar pela morte de alguém, esta sentirá pavor e temerá que outro episódio traumático se repita. Ou seja, quando não trabalhada a morte como algo natural até mesmo pela dificuldade em lidar com estes assuntos na infância, oindividuo adulto é impossibilitado de preparar-se gradativamente para a percepção da morte como um processo natural. Surgindo indivíduos inseguros, pavorosos e despreparados para de fato lidarem com o fato da morte.
Essa omissão contribui para formarmos uma sociedade com indivíduos ansiosos devido ter fantasiado em sua infância a morte como algo limitante e irreversível. E os sujeitos inseridosem uma sociedade ignorante e não aceitadora da morte como um processo natural desenvolvem a ansiedade ainda maior quando tratada como paciente terminal. Sabendo-se disso Thrucharte (2006) afirma que a sociedade na qual estamos inserida é espoliada e explorada mercantilmente. Fará com que o paciente terminal tenha um “desamparo social” se pensada na perda ou limitação da capacidade produtiva...
tracking img