Protocolos de redes

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 11 (2714 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 9 de abril de 2013
Ler documento completo
Amostra do texto
* INTRODUÇÃO

* padronização de cabeamento tem contribuído para o desenvolvimento e a expansão das redes de comunicações. Esses padrões são utilizados desde 1995 e tem contribuído para a interoperabilidade de redes. Esses padrões são determinados

principalmente pela TIA (Telecommunications Industry Association) e EIA (Electronic Industries Alliance), sendo o padrão TIA/EIA-568-A eTIA/EIA-569-A, os mais utilizados em redes. Eles determinam respectivamente o padrão para cabeamento, espaços e caminhos de telecomunicações em prédios comerciais. Esse padrão está sendo substituído gradativamente pelos padrões 568-B.1, B.2 e B.3.

As organizações TIA e EIA são americanas, por esse motivo o padrão TIA/EIA-568A está de acordo com o padrão ANSI, porém não seguem as normasinternacionais. Já os novos padrões estão mais próximos das normas internacionais (ISO). O padrão ANSI/TIA/EIA-568-B.1 determina os requisitos gerais para cabeamento e testes de campo em sistemas de cobre e fibra óptica. O padrão 568-B.2 trata de requisitos para cabeamento e conectores para sistemas com cobre. E o padrão 568-B.3 refere-se à padrões de cabeamento e conectores para sistemas com fibra óptica.Esses novos padrões permitem a instalação de redes formadas por cabos de cobre e fibra óptica com largura de banda mais elevada.

* CABOS RECONHECIDOS PELO PADRÃO

2.1 Cabos horizontais de par trançado

De acordo com o padrão ANSI/TIA/EIA-568-B.2 podem utilizar os cabo de par trançado isolado (ScTP) ou par trançado sem blindagem (UTP) de 100Ω de quatro pares de 22 e 24 AWG.FIGURA 1 – CABO ScTP E UTP RESPECTIVAMENTE

Para cabeamento UTP são reconhecidas as duas categorias:

– Categoria 5e: para cabos UTP de 100Ω e transmissão de 100 MHz. – Categoria 3: para cabos UTP de 100Ω e transmissão de 16 MHz.

Também é possível utilizar fibra óptica multimodo de 62.5/125μm ou 50/125μm em cabeamentos horizontais, desde que o cabos de fibra óptica estejam de acordo como padrão ANSI/TIA/EIA-568-B.3.

2.2 Cabos de backbone de par trançado

No cabeamento de backbone é disponibilizado vários padrões pela norma, pois o backbone suporta um grande número de serviços. Sendo os principais:

– Cabo de par trançado ANSI/TIA/EIA-568-B.2 de 100Ω.

– Cabo de fibra óptica multimodo padrão ANSI/TIA/EIA-568-B.3. – Cabo de fibra óptica monomodo padrãoANSI/TIA/EIA-568-B.3.

2.3 Cabos de fibra óptica

Os cabos de fibra óptica são determinados pelo padrão ANSI/TIA/EIA-568-B.3, são eles:

– Fibra óptica monomodo.

– Fibra óptica multimodo de 62.5/125μm ou 50/125μm.

FIGURA 2 – FIBRA ÓPTICA MONOMODO

Também é possível utilizar as fibras individualmente ou uma combinação delas, desde que estejam de acordo com o padrão ANSI/TIA/EIA-598-A.* RECOMENDAÇÕES PARA CABEAMENTO

3.1 Cabeamento Horizontal

Para cada estação de trabalho é recomendado no mínimo dois conectores, podendo ser ampliando dependendo da aplicação. Os conectores devem estar ligados a:

– Um cabo de quatro pares de 100Ω, categoria 3 ou superior de acordo com o padrão ANSI/TIA/EIA/-568-B.2.

– O outro conector deve estar ligado à um cabo dequatro pares de 100Ω categoria 5e de acordo com o padrão ANSI/TIA/EIA/-568-B.2; ou um cabo de fibra óptica multimodo.

Os limites são baseados de no comprimento do cabo a partir da terminação da estação central de telecomunicações até o conector localizado na área de trabalho. Os limites são:

– O comprimento máximo permitido é de 90 m, independente do meio.

– O comprimento total paracada canal horizontal, incluindo cabos na área de trabalho, patch cable, jumpers e equipamentos na sala de telecomunicações não deve exceder 10 metros, com exceção se for utilizado tomadas multiusuários.

– Recomenda-se que os patch cable e jumpers em conexão horizontal , incluindo conexões cruzadas horizontais e com backbones e outros equipamentos não deve exceder 5 metros.

3.2...
tracking img