Projeto peti

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 11 (2575 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 20 de novembro de 2012
Ler documento completo
Amostra do texto
PROJETO

APRESENTAÇÃO
Este projeto tem por finalidade a avaliação da disciplina de Estágio Supervisionado II do Curso de Serviço Social.
O projeto será executado no CREAS – Centro de Referência de Assistência Social, localizado na Rua Bauru nº 555 s - Centro, no município de Juara, que conta com uma equipe de profissionais, sendo um auxiliar administrativo, duas orientadoras sociais, umapsicóloga, uma assistente social e uma faxineira.
O horário de funcionamento do CREAS é das 08h00min às 11h00min e das 13h00min às 17h00minh de segunda a sexta-feira. O CREAS atende casos de trabalho infantil, abuso e exploração de menores, negligência, violência, maus-tratos contra crianças, idosos e mulheres; BPC (Benefício de Prestação Continuada); Serviço de Proteção Especial para Deficientes;Serviço Especializado para pessoas de rua; Referenciamento e encaminhamento de situações de violações de direitos; Vitimizações e agressões; acolhida e escuta individual voltada para identificação de necessidades de indivíduos e famílias.
O município de Juara pertence ao Estado do Mato Grosso, e possui uma população de 37.791 habitantes, sendo que sua densidade populacional é de 1,45 hab./km²conforme dados do IBGE do senso realizado em 2010.

Este projeto propõe trabalhar o combate ao bullyng e a discriminação étnico-racial entre crianças, pré-adolescentes e adolescentes do Programa de Erradicação do Trabalho Infantil – PETI, vinculado ao Creas de Juara visando sensibilizar os mesmos quanto a importância do respeito à diversidade étnica e cultural na sociedade, bem como proporcionara interação entre os indivíduos do grupo; promover a expressividade individual através de pinturas; promover dinâmicas enquanto facilitadores de interação e socialização dos assuntos a serem trabalhados; gerar o respeito e reconhecimento mútuo através de exposição de trabalhos artísticos realizados pelas crianças e adolescentes.
No período de estágio serão realizadas atividades diversificadastais como visitas aos lares das crianças envolvidas no PETI, roda de conversas acerca do bullying e da diversidade racial, buscando identificar o conhecimento que as crianças têm a respeito do assunto, socializando então o tema através de palestras, conversas e utilização de recursos audiovisuais, e oficinas de pintura a cerca dos temas trabalhados. Utilizaremos da observação e intervenção junto àsatividades já propostas pela coordenação e demais profissionais e apresentaremos outras que possam também contribuir para uma melhoria na vida dessas crianças, pré-adolescentes e adolescentes.
JUSTIFICATIVA

Nas relações entre alguns adolescentes observa-se que muitos preconceitos ainda estão enraizados nos mesmos em decorrência de alienantes modelos culturais que lhe são impostos, por issosurge à necessidade de trabalhar esse tema entre os jovens, buscando fazer da prática cotidiana o espaço de sua reflexão teórica, construindo pontes entre o dizer e o fazer.
O racismo não é uma simples discriminação racial, mas sim o produtor de um processo consolidado através do tempo de exclusão e inferiorização social e econômica. Os aspectos econômicos interagem com a discriminação étnicatanto numa mão como noutra, e até na contramão. Então, tendemos a pensar assim, julgando que o preconceito limita-se sempre ao outro.
Para o antropólogo Kabengele Munananga (1996) Costuma-se buscar a explicação dessa falta de consciência da discriminação racial na falta de instrução, ou seja, no bode expiatório cultural. Essa justificativa não convence porque os seres humanos não precisam deinstrução para sentir dor, o menosprezo, a injustiça e exclusão. Sem dúvida, certo nível cultural é indispensável para abrir os horizontes e, se necessário para articular o discurso interno em torno da questão; mas a falta de consciência não pode ser atribuída, absolutamente, à falta de instrução. A tendência, em geral, mesmo no brasileiro esclarecido é negar a discriminação.
Thompson (1998), ao...
tracking img