Projeto multidisciplinar

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 13 (3096 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 24 de maio de 2011
Ler documento completo
Amostra do texto
Universidade Anhanguera – Uniderp Centro de Educação à Distância
Pólo Taguatinga / DF

Desafio
Historia da Educação e da Pedagogia

Grupos:

Aluno: Juliana Peixoto de Araújo R.A
Aluno: Erineis Fernandes Rodrigues R.A2044108818
Aluno: Danúbia
Aluno: Juarez
Aluno: Laynna Alves Correia R.A 2041999565
Aluno: JessicaResumo

XXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXX XXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXX XXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXX XXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXX

XXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXX XXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXX XXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXX
(Pular 2 linhas)

Palavra Chave: Redes, Computadores

INTRODUÇÃO: tem que ser no mínimo 20 linhas


Daremos início a um breve relato acerca dos caminhos que levaram a educação brasileira ao estado em que se encontra atualmente.
Entre acertos e desacertos forammuitas as ações que contribuíram de forma direta ou indireta para que a educação chegasse ao estágio em que se encontra, veremos a evolução ou como se poderá verificar em algum
Nos pontos a involução ao longo de nossa história.

A história da Educação no Brasil começou em 1549, com a chegada dos primeiros padres jesuítas, inaugurando uma fase que haveria de deixar marcas profundas na cultura ecivilização do país. Movidos por intenso sentimento religioso de propagação da fé cristã, durante mais de 200 anos os jesuítas foram praticamente os únicos educadores do Brasil. Embora tivessem fundado inúmeras escolas de ler, contar e escrever, a prioridade dos jesuítas sempre foi à escola secundária, grau do ensino onde eles organizaram uma rede de colégios reconhecida por sua qualidade de estudosequivalentes ao nível superior.
Em 1959, os jesuítas foram expulsos de Portugal e de suas colônias, abrindo um enorme vazio que não foi preenchido nas décadas seguintes. As medidas tomadas pelo Ministro D. José I, o Marquês de Pombal, sobretudo a instituição do subsídio literário, imposto criado para financiar o ensino primário, não surtiu nenhum efeito. Só no começo do século seguinte, em 1808,com a mudança da sede do Reino de Portugal e a vinda da família real para o Brasil - Colônia, a educação e a cultura tomaram um novo impulso, com o surgimento de instituições culturais e científicas, de ensino técnico e dos primeiros cursos superiores, como os de medicina nos estados do Rio de Janeiro e da Bahia.
Todavia, a obra educacional de D. João VIU importante em muitos aspectos, voltou-separa as necessidades imediatas da corte portuguesa no Brasil. As aulas e cursos criados, em diversos setores, tiveram o objetivo de preencher demandas de formação profissional. Esta característica haveria de ter uma enorme influência na educação da educação superior brasileira. Acrescenta-se, ainda, que a política educacional de D. João VI, na medida em que procurou de modo geral concentrar-senas demandas da corte deu continuidade à marginalização do ensino primário.
Com a independência do país, conquistada em 1822, algumas mudanças no panorama sócio-político e econômico pareciam esboçar-se, inclusive em termos de política educacional. De fato, na Constituição de 1823, pela primeira vez se associou apoio universal e educação popular – uma como base da outro. Também foi debatida acriação de universidades no Brasil, com várias propostas apresentadas. Como resultado desse movimento de ideais, surgiu o compromisso do empório, na Constituição de 1824, em assegurar "instrução primária e gratuita a todos os cidadãos”, confirmado logo depois pela lei de 15 de outubro de 1827, que determinou a criação de escolas de primeiras letras em todas as cidades, vilas e vilarejos envolvendo as...
tracking img