Projeto economia

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 10 (2292 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 27 de setembro de 2012
Ler documento completo
Amostra do texto
FACULDADE DE ESTUDOS SOCIAIS DO PARANÁ
MBA EM GESTÃO DE PROJETOS
MACROECONOMIA E MICROECONOMIA DE PROJETOS

PATRICIA RAMALHO DE PAULA










Cidadania e Educação


























CURITIBA
2009

Histórico



Registros históricos constatam que após a II guerra Mundial o neoliberalismo deixou de ser uma tendência e passou a ser umadiretriz seguida pela maioria dos países ocidentais. Conforme Juliana Velloso Durão no seu trabalho de conclusão de curso de Economia da Universidade Federal do Rio de Janeiro, “Perfil e Panorama Atual da Responsabilidade Social Empresarial: Uma análise da indústria paulista” (2004), o modelo neoliberal pregava o fim do Estado intervencionista e por mais soberania do mercado, resultando no aumentoda pobreza e da desigualdade em todo o mundo.
Marley Rosana Melo de Araújo, no seu artigo “O que é responsabilidade social de empresas para o consumidor: Significado e influências”, faz um traçado histórico iniciando com os Estados Unidos na década de 60, que inicia suas atividades de cunho social na área de preservação do meio ambiente. No Brasil temos início no começo do século XX, com aIgreja Católica, surgindo as primeiras fundações e entidades de benemerência Marley faz uma citação de Toldo – 2002 e Pinheiro – 2001 na página 5 do seu artigo que ilustra muito bem a época em que as empresas começam a atuar no setor social.

“A atuação empresarial no setor social teve início na década de 60 com a criação da Associação dos Dirigentes Cristãos de Empresas(ADCE), reconhecendo a função social das empresas. Em 1982, a Câmara Americana do Comércio de São Paulo lança o prêmio Eco de cidadania empresarial (Toldo, 2002).”


“Contudo, Responsabilidade Social só ganha visibilidade no meio empresarial em 1993, com a campanha nacional Ação da Cidadania contra a Miséria e pela Vida, encabeçada pelo sociólogo Herbert de Souza, o Betinho,conquistando a adesão do movimento PNBE (Pensamento Nacional das Bases Empresariais), e marcando a aproximação do empresariado brasileiro com os movimentos sociais do país (Pinheiro, 2001)”.


No decorrer da década de 90 surge uma série de instituições propostas a incentivar o aumento de empresas com políticas de Responsabilidade Social Corporativa (RSC), desenvolvendo pesquisas relacionadasao tema e divulgação para a população. Neste período surge o Instituto Ethos, hoje é uma referência em RSC no Brasil, cujo objetivo é divulgar, incentivar a prática social corporativa promovendo eventos e publicação de atividades desenvolvidas pelas empresas no País. Foi criado o GIFE, Grupo de Institutos, Fundações e Empresas, o Centro de Estudos de Sustentabilidade da Fundação Getulio Vargas(CES-FGV), e mais recentemente aqui no Paraná foi criado o NITS, Núcleo de Estudos do Terceiro Setor da Universidade Federal do Paraná, fora as inúmeras ONGs, institutos e fundações que surgiram nesta última década. A ação mais recente que vem sendo desenvolvida desde 2005 é a criação do ISO 26000, NORMA INTERNACIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL, no decorrer desses anos, um grupo relacionado aoterceiro setor vem se reunindo para discutir parâmetros para regularizar as ações de RSC, o objetivo do ISO 26000 não é emitir um selo, mas fornecer uma diretriz.




Terceiro Setor


Antes de falar em terceiro setor faz-se necessário esclarecer, o que são estes setores. De forma relativamente sucinta podemos entender como primeiro setor o Estado (governo) responsável pela sociedade,defendendo o interesse dos cidadãos, do bem comum. O segundo setor é aquele formado pelas empresas, o setor privado com objetivo de gerar lucro. O terceiro setor são empresas assumindo algumas responsabilidades do Estado, constituindo organizações sem fins lucrativos e não governamentais com o objetivo de um bem comum.
Se o Estado tem a função de garantir os direitos do cidadão a saúde,...
tracking img