Projeto aterro sanitario

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 25 (6024 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 14 de julho de 2011
Ler documento completo
Amostra do texto
Universidade Estadual da Paraíba - CCT
Departamento de Engenharia Sanitária e Ambiental
Engenharia Sanitária e Ambiental
Projeto de Sistema de Tratamento de Resíduos Sólidos – Prof. Valderi Duarte Leite
Abílio José Procópio Queiroz
Igor Souza Ogata
Narcísio Cabral de Araújo
Pablo Luiz Fernandes Guimarães

Projeto de Tratamento do Lodo de ETE e Aterro Sanitário para uma Cidade de 30 milHabitantes

Campina Grande – PB
Junho de 2011
INTRODUÇÃO
Na Paraíba a produção per capita de resíduos sólidos urbanos é de aproximadamente 600g.hab-¹.dia-¹, o que implica em uma produção diária em nível estadual de 2.062 toneladas, contribuindo para uma relação de distribuição superficial de 36,5kg.km-².dia-¹ de resíduos sólidos urbanos ou 13,32 toneladas.km-².ano-¹. No estado da Paraíba,algo em torno de 95% dos resíduos sólidos urbanos coletados são lançados em lixões, os quais são desprovidos de infraestrutura básica, tornando-se um local de livre acesso para humanos e demais outros tipos de animais, como também para o lançamento de diversos tipos de resíduos, tornando-se estes locais potencialmente insalubres (Leite, 2006).
O manejo inadequado de resíduos sólidos de qualquerorigem gera desperdícios, contribui de forma importante à manutenção das desigualdades sociais, constitui ameaça constante à saúde pública e agrava a degradação ambiental, comprometendo a qualidade de vida das populações, especialmente nos centros urbanos de médio e grande porte (SCHALCH, 2002).
Assim tanto para a Paraíba quanto para os demais locais é importante desenvolver a atividade degerenciar os resíduos de forma integrada que se baseia em articular ações normativas, operacionais, financeiras e de planejamento que uma administração municipal desenvolve, apoiada em critérios sanitários, ambientais e econômicos, para coletar, tratar e dispor o lixo de uma cidade, ou seja: é acompanhar de forma criteriosa todo o ciclo dos resíduos, da geração à disposição final ("do berço ao túmulo"),empregando as técnicas e tecnologias mais compatíveis com a realidade local. Deste modo, o gerenciamento de resíduos exige o emprego das melhores técnicas na busca do enfrentamento da questão. A solução do problema dos resíduos pode envolver uma complexa relação interdisciplinar, abrangendo os aspectos políticos e geográficos, o planejamento local e regional, elemento de sociologia e demografia,entre outros (RUSSO, 2003).
Ainda segundo LEITE (2006), os RSU paraibanos são constituídos de: 56,8% de matéria orgânica putrescível, 13,6% de papel e papelão, 15,5% plástico, 1,5% de metais, 1,1% de vidro e 11,5% de outros (couro, borracha, ossos, trapos e madeira). Podemos então perceber o potencial energético e econômico existente nos RSU do estado, onde cerca de 85% dos resíduos gerados podemser reaproveitados, conferindo o devido valor agregado para cada tipo de resíduo.
No entanto, para se agregar valor aos RSU é necessário implantar tecnologias que possam transforma-las em produtos e reinseri-las nas atividades produtivas e comércio. Outro fator importante antes de uma comunidade ou gestores decidirem adotar ou implantar tecnologias de tratamento de RSU é a necessidade de fazeruma análise de mercado para verificar, a existência ou não, na região de demanda para o escoamento desses materiais.
TRATAMENTOS PARA OS RSU DA PARAÍBA
Existe várias maneira de tratamento de RSU dentre as quais podemos citar: reutilização e reciclagem, compostagem, digestão anaeróbia, incineração, pirólise, co-processamento e tratamento a plasma.
Porém alguns destes tratamentos como a pirólise,incineração e tratamento a plasma possuem custos e consumo de energia elevada, tornando um tratamento inviável para o contexto do estado paraibano. Portanto concluímos que as alternativas viáveis, de tratamento de RSU, para a Paraíba são a reutilização e reciclagem, compostagem, digestão anaeróbia e co-processamento.
REUTILIZAÇÃO E RECICLAGEM
A reutilização e reciclagem devem ser vista como...
tracking img