Projecto de uma empresa

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 43 (10689 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 2 de maio de 2011
Ler documento completo
Amostra do texto
A ESCRAVATURA
 
 
 
Os escravos existiram desde o início dos tempos, pessoas tratadas como se fossem coisas, de que o senhor podia dispor como quisesse. No início, a principal fonte de escravos eram as guerras, em que o vencedor poupava a vida aos inimigos derrotados para os utilizar como mão de obra gratuita em grandes obras, que seriam impossíveis de levar a cabo com trabalho pago. São osescravos capturados nas guerras que explicam as grandes obras construídas na Sicília, centenas de anos antes da era cristã.
Também em Portugal, os mouros derrotados e expulsos do País deixaram nos campos de batalha muitos escravos. A tradição diz que os escravos mouros eram muito rebeldes e havia que os ter sempre acorrentados para não fugirem. Mais tarde, os escravos mouros eram dados como moedade troca para pagamento do resgate de cristãos que tinham sido aprisionados ou raptados no norte de África.
Porém, a escravatura que aqui se pretende tratar é aquela empresa industrial que nas costas de África carregou milhões de pretos que atravessaram o Atlântico em frágeis navios, para as Índias Ocidentais, portuguesas e espanholas e depois para a América do Norte. Em suma, o tráficonegreiro.
Com os descobrimentos, Portugal entrou no negócio dos escravos. Após a passagem do Cabo Bojador, por Gil Eanes, em 1434, deixou de haver medo de navegar ao longo da Costa de África. Os navegadores começaram a regressar com dezenas de escravos, dos quais um quinto pertencia ao Infante D. Henrique. Assim em 1443, Lançarote, escudeiro do Infante, carregou 235 presas. E assim por diante até 1448,em que já tinham sido resgatados 927 escravos, como diz Zurara, na sua Crónica da conquista da Guiné. Pobre como era o País, nessa altura, os escravos serviam para fazer dinheiro. Os escravos da Guiné tinham de vir todos para Lisboa e muitos eram depois vendidos para Espanha com destino às Índias espanholas.
O negócio fazia-se então por peças de escravos. A peça era um escravo jovem de 15 a 25anos, com a altura média de 1, 75 m. Três jovens de 8 a 15 anos ou três adultos de 25 a 35 só contavam por 2 peças. Duas crianças de 4 a 8 anos ou dois adultos com mais de 35 anos só contavam por uma peça. Não interessavam as cabeças, mas apenas o espaço que ocupavam e o que valiam para o trabalho.
As crianças acompanhavam as mães e eram classificadas em crias de peito e crias em pé (menos de 4palmos de altura; com mais, eram moleques ou molecas). Mais antipático era o nome que davam às crias de peito na costa de Moçambique em que eram denominadas bichos nos documentos de embarque.
O primeiro entreposto africano que Portugal estabeleceu em África para o resgate de escravos foi a Feitoria da ilha de Arguim em 1448. Depressa deram conta que não poderiam continuar a capturar gente parafazer dele escravos e passaram a comprar os pretos aos chefes ou aos mercadores locais que os traziam do interior, dando-lhes em pagamento, naquela altura, sobretudo, panos mas também, cavalos. Também se adquiria aos mercadores árabes ouro, mas não em grandes quantidades.
Em 1482 foi criado o entreposto de S. Jorge da Mina. A partir de 1485, o Rei D. João II intitulou-se Senhor da Guiné.
Onegócio dos escravos e a existência de pretos em Lisboa é retratada, com grande sentido de humor, por um viajante do sec. XVI, o alemão Jerónimo Münzer, que visitou o nosso País em 1494 e foi recebido pelo Rei (ver Anexo 1).
Os escravos tinham tratamento jurídico especial, um meio termo entre pessoas e coisas, nas Leis do Reino (ver Anexo 2).
Embora uma boa parte dos escravos fosse vendida para oestrangeiro, começaram as famílias em Portugal a ter escravos para o seu serviço, de tal modo que em 1551, dos cerca de 100 000 habitantes de Lisboa, dez por cento eram escravos pretos.
Mas um grande número de escravos foi adquirido para realizar trabalhos agrícolas na Madeira, Açores, Cabo Verde e, sobretudo, em S. Tomé. A principal cultura era a cana de açúcar, que o Infante D. Henrique...
tracking img