Produção de texto

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 6 (1389 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 23 de março de 2011
Ler documento completo
Amostra do texto
1. A perspectiva do texto como produto

Ao tratarmos o texto como um produto, podemos apreender essa tese a partir de dois prismas; o primeiro se trata da concepção de que um produto é algo acabado, trabalhado, perfeito sem necessidade de retoques, pronto para ser utilizado. O segundo, trata a partir de uma perspectiva sobre a qual o texto seria um produto a ser consumido, ou seja, que sofrer aação direta do consumidor.Aliamos por isso, esses dois prismas porque entendemos que o texto é um produto semipronto e, é o leitor, consumidor que irá interagir nesse processo que engloba produto e consumidor, que nada mais é que a relação texto leitor.

Por isso,para Marcuschi, é tão essencial a relação aluno/texto. Essa relação se deve porque o aprendiz que pretende elaborar textos necessitade uma proximidade com os mais diversos tipos de gêneros textuais e compreender as características de cada um, a que público se refere, qual a intenção, em que meio é vinculado. O aluno se depara com a realidade cotidiana a qual ele é um consumidor, inclusive de textos. O aluno se comunica através de gêneros textuais e no entanto, aprende nas escolas e com base nos LDP apenas por meio de frases.Não é raro encontrarmos LDP que permanecem teorizando a partir de frases quando o que é mais eficaz para o aluno é o texto como unidade de ensino.Com o avanço da Lingüística Textual, pudemos notar avanços nessa área.Professores têm evoluído no sentido de ensinar a partir de textos.

Quando falamos que o texto está semipronto, abordamos algo essencial que se chama dialogismo, os textosdialogam entre si, seja escrito ou oralmente. O texto torna-se um produto pronto quando ele consegue comunicar algo a alguém, e, nesse momento ele começa a sofrer a influência do seu leitor nessa relação que surge. Essa é a função social da linguagem textual: um instrumento de comunicação. Por isso, falamos do texto como um produto não acabado e que para ser “ponto” precisa ser consumido pelo seuinterlocutor, pois um e outro se interpenetram.

A tendência que a muito está em voga na metodologia de ensino é enxugar os textos. Os professores ditos tradicionais, utilizam os melhores textos dos mais diversos tipos de gêneros para retirar frases e aplicá-las no ensino de “pura gramática” . O próprio Marcuschi afirma que o ensino a partir de frases é insuficiente para servir de base teórica aoaprendizado sobre o funcionamento do texto. “É possível compreender uma frase a partir do ensino do texto mas, é impossível compreender o texto a partir do ensino de uma frase”, por isso a competência textual não se explica através da expansão da competência frásica.Um passo importante para que tenhamos alunos com competência textual é criar mecanismos dentro de sala, na escola ou em casa, que suscitenele à vontade de ler. O aluno que lê, vai automatizando as características de cada gênero lido. E, com a ajuda do professor, logo se torna capaz de distinguir aspectos peculiares a cada gênero textual.Ao ler, o aprendiz, vai registrando em sua memória formas de escrever, estruturas, palavras novas e informações que aumentarão seu conhecimento de mundo, se tornando crítico e capaz de comportextos coesos e coerentes pela gama de leitura e a experiência que adquiriu.Essa é a contribuição da lingüística, pensar, refletir e ensinar através dos textos como unidade da linguagem em uso.Ninguém se comunica por frases isoladas e descontextualizadas. Na verdade, Bakhtin defende o dialogismo, porque segundo ele estamos sempre emendando um discurso já existente. Por isso, o fato de a língua ser umfato social que se remete a uma dada situação de uso real. A linguagem é a manifestação elocutiva de cada um.

A lingüística colaborando para uma otimização no processo de criação e de ensino-aprendizagem considerou fatores essências para a definição da textualidade:

O primeiro fator formal é a coesão.

”Um texto não é apenas uma seqüência ou soma de frases isoladas”
(KOCH, Ingedore...
tracking img