Processos decisorios - um estudo sobre a estrutura organizacional e o processo de decisão em uma empresa de pequeno porte visando a sugestões de melhoria.

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 5 (1250 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 6 de novembro de 2011
Ler documento completo
Amostra do texto
1. INTRODUÇÃO
O objetivo deste trabalho foi investigar o processo decisório de um supermercado de pequeno porte, que atua no setor do comércio varejista (supermercados). Para a coleta de dados, optou-se pela entrevista direta com o proprietario e acompanhamento e observação sobre as práticas administrativas adotadas na empresa, levantando as ferramentas gerenciais utilizadas no cotidiano dogestor, bem como a de sugerir alternativas que contribuam para a eficácia do seu negócio.
Também foram abordados assuntos sobre a estrutura organizacional da empresa, os processos utilizados nas tomadas de decisão e os níveis de comando para tomadas de decisões.
Tomada de decisao e o processo de análise e escolha entre várias alternativas disponíveis do curso de ação que a pessoa deverá seguir(Chiavenato,1997).
Chiavenato (1997) aponta que o processo de decisão é complexo e está sujeito às características individuais do decisor quanto da circunstância em que está envolvido e da maneira como compreende essa situação. Entende que o processo de decisão desenvolve-se em sete etapas, a saber:
1. Percepção da situação que abrange algum problema;
2. Diagnóstico e definição do problema;
3.Definição dos objetivos;
4. Busca de alternativas de solução ou de cursos de ação;
5. Escolha da alternativa mais apropriada ao alcance dos objetivos;
6. Avaliação e comparação dessas alternativas;
7. Implementação da alternativa escolhida.
Cada etapa influencia as demais e todo o conjunto do processo. Pode ser que as etapas não sejam seguidas à risca. Quando há pressão para uma solução rápidauma solução imediata, as etapas 3, 5 e 7 podem ser sintetizadas ou eliminadas. Caso contrário, sem existência de pressão, determinadas etapas podem ser ampliadas ou desdobradas no tempo (CHIAVENATO, 1997).
Em termos estruturais, Mintzberg (2003) têm analisado o ambiente a partir da sua divisão em duas dimensões básicas: macroambiente (ou ambiente geral) e microambiente (ou ambiente de tarefas). Naprimeira, estão todas as variáveis que afetam indiretamente o funcionamento da organização. São exemplos as condições políticas, regulatórias e econômicas de um país ou região, as inovações e transferências tecnológicas, os valores culturais, sociais e demográficos de uma população e as questões ecológicas a que as organizações estão submetidas.
Em contrapartida, em uma dimensão mais próxima daorganização, estão os elementos do microambiente que afetam diretamente e no curto prazo o funcionamento e a gestão organizacional, sendo representados, principalmente, pelos competidores, consumidores, fornecedores, instituições financeiras entre outros.
Sobre o uso da informação e do conhecimento com insumos para atomada de decisão voltada para o processo de adaptação organizacional ao seucontexto de negócios, percebe-se que, para ter sucesso, a organização precisa desenvolver continuamente formas de se adaptar continuamente às mudanças que ocorrem em seus ambientes de negócios. (MINTZBERG, 2003).
A estratégia deverá ser sempre uma opção inteligente, econômica e viável, pois, assim, torna-se arma de que pode dispor uma organização para otimizar o uso de seus recursos, tornar-sealtamente competitiva, superar a concorrência, reduzir seus problemas e otimizar a exploração das possíveis oportunidades que o ambiente possa proporcionar (OLIVEIRA, 1991).
Como mera resposta à concentração do setor, os pequenos e médios supermercados se mobilizam na formação de parcerias para fazer frente à expansão das grandes redes. Neste sentido, pequenos supermercadistas se unem, formandocentrais de compras. A estratégia está no âmbito de criar escala, evitar intermediários e comprar produtos básicos e de alto giro diretamente da indústria, com uma redução em média de 10% no preço (FLEURY, 1998).
Mesmo assim, percebe-se que o que falta para as micro e pequenas empresas brasileiras é estratégia, ou seja, nada mais do que a busca de uma vantagem competitiva que possa diferenciá-las de...
tracking img