Processo de adoecimento

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 6 (1429 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 17 de julho de 2012
Ler documento completo
Amostra do texto
Processo de adoecimento

Merece destaque que o processo de envelhecimento não aponta obrigatoriamente para uma determinada faixa etária ou idade cronológica. Segundo Brunner e Suddarth
(1999) a definição de idade pode variar de acordo com a referência de cada indivíduo.
A Política Nacional de Saúde da Pessoa Idosa (BRASIL, 2006) define a pessoa como idosa partir dos 60 anos nos países emdesenvolvimento. Porém é importante compreender que a idade cronológica difere-se da funcional em vários sentidos. Assim o idoso com idade acima de 60 anos comparado a outro com idade menor pode estar fisiologicamente em melhores condições de saúde.

Embora muitas pessoas idosas se considerem saudáveis quatro entre cinco apresentam pelo menos uma doença crônica não transmissível. Segundodados estatísticos internacionais da década de noventa as doenças mais encontradas são as seguintes por ordem decrescente; artrite, hipertensão, distúrbios da audição, cardiopatia, 21 catarata, deformidade ortopédica, sinusite crônica, diabetes, distúrbio visual, veias varicosas. (CDC, 1990)
O processo de adoecimento ameaça a independência e a qualidade de vida dos idosos, traduzindo-se emlimitações físicas e aumentando a dependência do indivíduo.
No que se refere à hospitalização, de acordo com Schick e Schick apud Brunner e
Suddarth (1999), a internação dos idosos é três vezes mais freqüente com uma permanência hospitalar superior em 50% do que as pessoas com menos de 65 anos de idade.
Independente do processo de adoecimento, o idoso apresenta alterações fisiológicas comuns aopróprio processo de envelhecimento e que envolve basicamente o sistema tegumentar e cardiovascular, além de órgãos do sentido. Resumidamente podemos evidenciar as alterações desses sistemas, como por exemplo:

* Sistema Tegumentar: a integridade cutânea alterada, a pele fica fina e enrugada, redução da massa muscular e aumento da massa gordurosa, diminuição da produção de colágeno e elastina,reduzindo assim também a camada de estrato córneo, que atua como fator de proteção a pele.

* Sistema cardiovascular: alterações cardiovasculares importantes que prejudicam a saúde de muitos idosos como as alterações pressóricas, as alterações vasculares com a diminuição da elasticidade dos vasos bem como a agregação de partículas de gordura e cálcio reduzindo assim a capacidade do coração emlevar sangue oxigenado aos órgãos e demais tecidos. As válvulas cardíacas se tornam mais espessas e mais rígidas.

* Órgãos do sentido: diminuição do equilíbrio e da visão, a sensibilidade aumentada aos princípios ativos dos medicamentos, alteração na absorção digestiva dos alimentos, alteração na percepção são algumas das situações que impõem fator de risco a população idosaprincipalmente a hospitalizada.
Processo de morte

O Brasil vem experimentando um acentuado envelhecimento populacional.
Se, em 1950, o Brasil era o 16o país do mundo com maior número de pessoas acima de 60 anos de idade, em 2025 projeções indicam que ele terá a sexta ou quinta maior população acima dos 60 anos do planeta. Observa-se hoje uma mudança drástica no perfil demográfico da populaçãobrasileira. Se há 100 anos a sobrevida de 70 anos era um fator de sorte ou acaso, no século XXI isto é uma realidade constante.

Um dos esteios dessa circunstância, a Geriatria vem se firmando como especialidade médica, autônoma das outras especialidades clínicas. É consagrado, hoje, que o organismo do idoso apresenta características próprias, diferentes das de umadulto. O estado catabólico, comum no envelhecimento, faz com que o idoso seja portador de comorbidades, apresentando problemas orgânicos de natureza diversa, sejam condições naturalmente crônicas, como a hipertensão arterial sistêmica ou a cronificação de uma condição cujo evento agudo foi controlado.

O envelhecimento e a morte são fenômenos que envolvem sentimentos variados e que são...
tracking img