Principais disturbios da glandula paratireoide

PRINCIPAIS DISTÚRBIOS DA GLÂNDULA PARATIREOIDE


1. INTRODUÇÃO

As glândulas paratireóides são pequenas, responsáveis por secretar hormônios, localizadas próximas a tireóide na face cranial dos lobos tireoideanos, próximo à bifurcação da artéria carótida. Possuem formato oval, medem 4 mm e tem coloração rosada. O termo “para”, refere-se ao lado da tireóide.
A glândula paratireóidetem a função de secretar o paratormônio (PTH) que regula a concentração de Cálcio e Fósforo no sangue, aumento dos níveis de cálcio no sangue, fazendo com que o cálcio seja reabsorvido dos ossos . Nos rins o PTH aumenta a reabsorção tubular de cálcio e potencializa a excreção de fosfato. Nos ossos o PTH promove a liberação de cálcio e fosfato para o interior do fluxo celular.
Existem algumasdisfunções que afetam a glândula paratireóide como o hiperparatireoidismo, primário, que pode ser causado por um tumor na glândula produzindo níveis excessivos do paratormônio aumentando o nível sérico de cálcio. O hiperparatireoidismo secundário, está relacionado à deficiência de cálcio e vitamina D, associada com a desnutrição ou doença renal. Não há causa conhecida genética para ohiperparatireoidismo primário, mas sua associação com determinadas raças sugere uma base hereditária, a raça Keeshonds mostra uma predileção por esta doença.
A maioria dos cães com hiperparatireoidismo não parecem doentes, geralmente os sinais são leves e deve-se exclusivamente aos efeitos dos níveis elevados de cálcio no sangue. Os sinais mais comuns incluem, anorexia, polidipsia, poliúria, letargia,vomito.
Outra disfunção da glândula paratireóide é o hipoparatireodismo que se caracteriza pela deficiência da secreção do paratormônio levando a uma diminuição absoluta ou relativa dos níveis desse hormônio no sangue. Baixos níveis dessa substância no sangue levam a baixos níveis de cálcio sérico, uma condição chamada hipocalcemia. Em cães, há uma predileção por hipotireoidismo em Poodles toy,Schnauzer miniatura, Pastor Alemão, Labrador e raças Terrier. Também parece haver uma diferença de gênero, as fêmeas tendem a ser diagnosticadas em maior número.
O hipoparatireoidismo á mais comumente de causa desconhecida, idiopática ou pode ser resultado de uma inflamação imunomediada da glândula paratireóide. Os sinais clínicos incluem convulsões, tremores, ataxia, fraqueza, anorexia eletargia.
Os distúrbios da glândula paratireóide inicialmente podem causar sinais, inicialmente, que muitas vezes passam desapercebidos, pois geralmente começam discretamente. Devido ao fato de que a doença causa efeitos em inúmeros sistemas, os sintomas também são variados e difusos, dificultando enormemente o diagnóstico do médico veterinário. Além disso, muitas vezes, os exames laboratoriaispodem não apresentar alterações relevantes.
Sendo assim, diagnóstico pode ser laborioso e demorado, tendo suma importância o histórico do animal, uma anamnese bem feita, exame físico e conhecimento sobre esta alteração endócrina. Antes de se iniciar o tratamento, é preciso descartar outras várias possíveis doenças que podem estar relacionadas com problemas cardíacos, hipoglicemia,encefalopatiahepática, doenças neurológicas, inflamatórias, tumores, insuficiência renal ou intoxicação por vitamina D que podem ter sintomas semelhantes.


















2. ANATOMIA DA GLÂNDULA PARATIREÓIDE

O cão e o gato normais apresentam, geralmente, dois pares de glândulas paratireóides pequenas. Encontram-se um par de glândulas na fáscia, cranialmente a cada um dos lobostireoideanos, sendo que o par caudal fica incrustado no parênquima de cada lobo tireoideana (DUNN, 2001).
Os anatomistas descrevem apenas um par de glândulas, as paratireóides externas ou craniais. Elas estão localizadas cranialmente à tireóide e próximas à bifurcação da artéria carótida. As glândulas possuem formato globular ou oval, medindo 4 mm de comprimento, pesando de 0,08 a 0,10 gramas e...
tracking img