Primeiros ensaios 18.2 andre botelho daiane stolberg as origens do portugues brasileiro

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 16 (3796 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 18 de outubro de 2012
Ler documento completo
Amostra do texto
BOTELHO, André; STOLBERG, Daiane. As origens do Português Brasileiro. Eletras, vol. 18, n.18, jul.2009. www.utp.br/eletras

AS ORIGENS DO PORTUGUÊS BRASILEIRO
André Botelho Daiane Stolberg Alunos de Letras Português-Inglês – 6º período

RESUMO: Neste artigo traçam-se paralelos intertextuais relativos às possíveis explicações para a origem do Português Brasileiro. São abordadas ascontribuições das populações nativas e africanas. O pidgin e o crioulo são duas possíveis explicações, além das que tratam do arcaísmo, hipercorreção, e caminho próprio, entre outras. São apresentados um quadro evolutivo da distribuição étnica bem como exemplos de vocábulos oriundos de outras populações que foram incorporados pela comunidade de falantes do português brasileiro. PALAVRAS-CHAVE: pidgin; crioulo;nativos brasileiros; escravos africanos.

1. Introdução

A busca das possíveis explicações para o surgimento do Português Brasileiro – ou simplesmente PB – e como ele se distanciou do Português Europeu – ou PE – tem sido tema de estudos de um sem número de lingüistas interessados em entender como este processo se configurou. À medida que novos textos que tratam deste assunto são publicados,novas perguntas surgem e novas explicações são propostas – sejam elas inéditas, sejam elas a exploração de aspectos ainda não estudados das outras teorias. Este texto busca traçar paralelos, intertextualidades, entre três obras que discorrem sobre esse tema. A primeira delas é Ensaios para uma sócio-história do português brasileiro, de autoria de Rosa Virgínia Mattos e Silva (2004), na qual aautora sustenta a teoria da origem crioula do PB. A segunda é Origens do português brasileiro, de Anthony Julius Naro e Maria Marta Pereira Scherre (2007). Aqui,
“longe de negar a importância da influência africana e indígena para nossa cultura”, os autores apresentam “evidências de que características morfossintáticas e fonológicas do português brasileiro, atualmente envoltas em estigma e preconceitosocial, são heranças românicas e portuguesas arcaicas e clássicas, e não modificações advindas das línguas africanas, ou das línguas dos povos ameríndios.” (NARO & SCHERRE, 2007: 210)

256 Eletras, vol. 18, n.18, jul.2009

BOTELHO, André; STOLBERG, Daiane. As origens do Português Brasileiro. Eletras, vol. 18, n.18, jul.2009. www.utp.br/eletras

Finalmente, a terceira publicação é Oportuguês da gente, de Rodolfo Ilari e Renato Basso (2007). Eles trabalham, assim como Mattos e Silva, com a contribuição determinante das populações indígenas e africanas na formação do PB – corrente na qual tendemos a nos filiar. Mas, sobretudo, com o aspecto sociolingüístico, comunal, e cultural da língua como construção coletiva, representação de um todo populacional variado e diversificado queconstituiu originalmente nossa população. Propomos, pois, uma primeira abordagem dos conceitos de pidgin e crioulo. Na sequência, expomos as possíveis contribuições das populações indígenas nativas seguidas pelas possíveis contribuições das populações africanas. Ao final, tratamos da reeuropeização do PB que nos trouxe à nossa língua atual.

2. Contribuições ao Português Brasileiro

2.1 Pidgin eCrioulo

Várias são as definições ao conceituar-se pidgin e crioulo, dependendo do autor consultado. De uma forma geral, considera-se pidgin um primeiro sistema verbal, ou de comunicação, uma primeira língua de contato entre povos falantes de diferentes línguas, que forneceriam o vocabulário para essa língua de contato, de forma que todos os falantes pudessem identificar elementos de sua línguamaterna nessa nova organização lexical. É interessante notar que as regras gramaticais não são necessariamente as mesmas das línguas que forneceram o vocabulário, mas essas regras podem ser do idioma considerado a língua de prestígio da região em questão, ou da maioria falante. “(...) O Tok Pisin, sistema de base lexical inglesa usado na Nova Guiné [está] (…) em uso na área pelo menos desde...
tracking img