Preconceito racial

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 37 (9102 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 30 de março de 2013
Ler documento completo
Amostra do texto
Preconceito racial de marca e preconceito racial de origem


Os estudos que tratam da “situação racial” brasileira, no que se refere ao negro (e ao mestiço de negro), podem ser divididos em três correntes: 1) a corrente afro-brasileira, a que deram impulso Nina Rodrigues e Arthur Ramos, e os estudiosos que mais diretamente foram influenciados por ambos; e que, sob a influência de Herskovits,prossegue, sob uma forma renovada, com os trabalhos de René Ribeiro, Roger Bastide e outros, podendo ser caracterizada como aquela corrente que dá ênfase ao estudo do processo de aculturação, preocupada em determinar a contribuição das culturas africanas à formação da cultura brasileira; 2) a dos estudos históricos, em que se procura mostrar como ingressou o negro na sociedade brasileira, areceptividade que encontrou e o destino que nela tem tido, corrente esta de que Gilberto Freyre é o principal representante; e 3) a corrente sociológica que, sem desconhecer a importância dos estudos feitos sob as duas perspectivas já mencionadas, se orienta no sentido de desvendar o estado atual das relações entre os componentes brancos e de cor (seja qual for o grau de mestiçagem com o negro ou oíndio) da população brasileira1. Na presente comunicação, somente a terceira das mencionadas correntes de estudos será considerada. Com o caráter sistemático que vem assumindo, a perspectiva sociológica, no estudo das relações sociais entre brancos e não-brancos, no Brasil, foi inaugurada com o trabalho realizado na Bahia, de 1935 a 1937,

1.Dentre os discípulos de Arthur Ramos, merece destaque EdisonCarneiro. Na presente comunicação, o autor não tratará nem da bibliografia afro-brasileira nem da corrente histórica dos estudos referentes ao negro no Brasil. Neste ponto, apenas deve ser assinalado que, não obstante a tendência de cada estudioso se interessar, especialmente, por um ou outro dos três setores de estudos, dificilmente se poderão situar todos os trabalhos de um mesmo autor,exclusivamente, numa ou noutra corrente.

Preconceito racial de marca e preconceito racial de origem, pp. 287-308

por Donald Pierson, e publicado, pela primeira vez, sob forma completa, em 1942 (cf. Pierson, 1942), ainda que anteriormente já aparecessem alguns estudos, de diferentes autores, sobre determinados aspectos do tema geral de “relações raciais”, em publicações periódicas e especialmentena Revista do Arquivo Municipal e em Sociologia, ambas de São Paulo. Tanto devido à repercussão do trabalho de Pierson como ao maior contato dos estudiosos nacionais com a literatura científica estrangeira e, em especial, com a norte-americana, passou o tema a ser objeto de estudos mais freqüentes, conforme o testemunham as páginas das revistas eruditas e, em particular, as dos periódicosmencionados. Em 1950, publicou Felte Bezerra seu livro Etnias sergipanas (cf. Nogueira, 1950, pp. 323-331), em que estuda o povoamento e a composição atual da população do estado de Sergipe e considera válidas, “em sua quase totalidade”, em relação a essa unidade política, as observações feitas por Pierson, com referência às atitudes entre elementos brancos e não-brancos e, de um modo geral, com referênciaà “situação racial” da Bahia, em seus múltiplos aspectos. Além de seus conhecidos trabalhos que se enquadram na corrente dos estudos “afro-brasileiros”, Roger Bastide tem dado uma valiosa contribuição ao conhecimento da “situação racial” brasileira e, em particular, ao da situação de São Paulo, sob o ponto de vista sociológico (cf. Bastide, 1951a; 1951b; 1953). Sob os auspícios da Unesco, váriasinvestigações foram realizadas, recentemente, em diferentes pontos do país, por estudiosos nacionais e estrangeiros, sendo que, em alguns casos, o estudo de “relações raciais” se entrosou com “estudos de comunidades” ou outros levantamentos sociológicos já em andamento: Charles Wagley (1951) estudou a “situação racial” de uma comunidade rural da Amazônia (cf. também Wagley, 1953), enquanto...
tracking img