Praticas pedagogicas

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 5 (1129 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 24 de novembro de 2012
Ler documento completo
Amostra do texto
UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA
CENTRO DE CIÊNCIAS HUMANAS E EXATAS

CAMPUS VI – MONTEIRO
CURSO DE LETRAS - PORTUGUÊS

COMPONENTE CURRICULAR: PRÁTICA PEDAGOGICA I
PROFESSOR: JORDÃO JOANES

Sobre o Ensino de Português na Escola



O ensino do português padrão

“As razões pelas quais não se aprende, ou se aprende e não se usa um dialeto padrão, são de outra ordem, e tem a ver emgrande parte com os valores sociais dominantes e pouco com estratégias escolares discutíveis.”



Concepção de criança e de língua

“Todos podemos ver diariamente que as crianças são bem-sucedidas no aprendizado das regras necessárias para falar. A evidência é falam. Se as línguas são sistemas complexos e as crianças as aprendem, de uma coisa podemos ter certeza: elas não são incapazes.” 

As estruturas linguísticas

“Todas as línguas são estruturas de igual complexidade. Isso significa que não há línguas simples e línguas complexas, primitivas e desenvolvidas. Dialetos populares e dialetos padrões se distinguem em algumas coisas, mas não pela complexidade das respectivas gramáticas.”
Português Brasil x Português Portugal



A aquisição da fala

“Qualquer avaliaçãoda inteligência do aluno com base na desvalorização de seu dialeto é cientificamente falha. Os alunos que falam dialetos desvalorizados são tão capazes quanto os que falam dialetos valorizados (embora as instituições não pensem assim).”



As variações linguísticas

“Todas as línguas variam, isto é, não existe nenhuma sociedade ou comunidade na qual todos falem da mesma forma. As línguasfornecem também meios de constituição de identidade social.”



As formas arcaicas

“Haveria muitas vantagens no ensino de português se a escola tivesse como padrão ideal a ser atingido pelos alunos algo como a escrita dos jornais ou dos textos científicos, ao invés de ter como modelo a literatura antiga.”



Os erros

“Análises um pouco cuidadosas mostram que alunos acertam maisdo que erram, que os erros são em geral hipóteses significativas, que o número de erros é bem maior do que os tipos de erros.”



Procedimentos pedagógicos

“Não se aprende por exercícios, mas por práticas significativas. O domínio de uma língua é o resultado de práticas efetivas, significativas, contextualizadas.”



O que precisa ser ensinado?

“O que já é sabido não precisa serensinado.”

O que ensinar em língua portuguesa.
Contribuições de Piaget e Vygostsky

Essas ideias ganharam suporte das pesquisas que têm em comum as concepções de aprendizagem socioconstrutivistas, que consideram o conhecimento como sendo elaborado pelo sujeito, e não só transmitido pelo mestre.  O aluno constrói hipóteses sobre a escrita e também aprende ao reorganizar os dados que têm emsua mente. Em seguida, as pesquisas de didática de leitura e escrita produzem conhecimentos sobre o ensino e aprendizagem desses conteúdos.






Hoje a tendências propõe que certas atividades sejam feitas diariamente com os alunos de todos os anos para desenvolver habilidades leitoras e escritoras. Entre elas, estão a leitura e escrita feita pelos próprios estudantes e pelo professorpara a turma (enquanto eles não compreendem o sistema de escrita), as práticas de comunicação oral para aprender os gêneros do discurso e as atividades de análise e reflexão sobre a língua. A leitura, coletiva e individualmente, em voz alta ou baixa, precisa fazer parte do cotidiano na sala. O mesmo acontece com a escrita, no convívio com diferentes gêneros e propostas diretivas do professor.Opropósito maior deve ser ver a linguagem como uma interação.



O desenvolvimento da linguagem oral, por sua vez, apesar de ainda pouco priorizada na escola, precisa ser trabalhado com exposições sobre um conteúdo, debates e argumentações, explanação sobre um tema lido ou leituras de poesia. O importante é oferecer oportunidades de fala, mostrando a adequação da língua a cada situação social...
tracking img