Positivismo augusto conte

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 14 (3467 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 25 de março de 2013
Ler documento completo
Amostra do texto
FACULDADE SÃO TOMÁS DE AQUINO - FSTA
CURSO DE DIREITO









SHIRLENE CASTRO













O POSITIVISMO DE AUGUSTO COMTE E SUA INFLUÊNCIA NO BRASIL




















Salvador
2009


SHIRLENE CASTRO















O POSITIVISMO DE AUGUSTO COMTE E SUA INFLUÊNCIA NO BRASIL





Trabalho apresentadoao curso de graduação em Direito, da Faculdade São Tomás de Aquino - FSTA, como requisito parcial da disciplina Sociologia Geral e Conflitos Sociais, sob a orientação do Professor Cristiano D’Almeida Ribeiro.








Salvador
2009
SUMÁRIO


1 BIOGRAFIA DE AUGUSTO COMTE .................................................................. ..3
1.1 O FILÓSOFO E SUA MUSA....................................................................................4

2 POSITIVISMO ............................................................................................................6

2.1 TEORIA DE AUGUSTO COMTE ............................................................................7


2.2 MÉTODO DO POSITIVISMO DE AUGUSTO COMTE .........................................72.3 A RELIGIÃO DA HUMANIDADE ..........................................................................8





3 O POSITIVISMO NO BRASIL ................................................................................8

3.1 O POSITIVISMO NO BRASIL E NO RIO GRANDE DO SUL ............................10

REFERÊNCIAS............................................................................................................12



















1 BIOGRAFIA DE AUGUSTO COMTE


Auguste Comte nasceu em Montpellier, França, a 19 de janeiro de 1798, filho de um fiscal de impostos. Suas relações com a família foram sempre tempestuosas e contêm elementos explicativos do desenvolvimento de sua vida e talvez até mesmo de certas orientações dadas às suas obras,sobretudo em seus últimos anos. Freqüentemente, Comte acusava os familiares (à exceção de um irmão) de avareza, culpando-os por sua precária situação econômica. O pai e a irmã, ambos de saúde muito frágil, viviam reclamando maior participação de Auguste em seus problemas. A mãe apegou-se a ele de forma extremada, solicitando sua atenção “da mesma maneira que um mendigo implora um pedaço de pão” parasobreviver, como diz ela em carta ao filho já adulto. Tão complexos laços familiares foram afinal rompidos por Comte, mas deixaram-lhe marcas profundas.
Com a idade de dezesseis anos, em 1814, Comte ingressou na Escola Politécnica de Paris, fato que teria significativa influência na orientação posterior de seu pensamento. Em carta de 1842 a John Stuart Mill (1806-1873), Comte fala daPolitécnica como a primeira comunidade verdadeiramente científica, que deveria servir como modelo de toda educação superior. A Escola Politécnica tinha sido fundada em 1794, como fruto da Revolução Francesa e do desenvolvimento da ciência e da técnica, resultante da Revolução Industrial. Embora permanecesse por apenas dois anos nessa escola, Comte ali recebeu a influência do trabalho intelectual decientistas como o físico Sadi Carnot, (1796-1832), o matemático Lagrange (1736 -1813) e o astrônomo Pierre Simon de Laplace (1749-1827). Especialmente importante foi a influência exercida pela Mecânica Analítica de Lagrange: nela Comte teria se inspirado para vir a abordar os princípios de cada ciência segundo uma perspectiva histórica.
Em 1816, a onda reacionária que se apoderou de toda aEuropa, depois da derrota de Napoleão e da Santa Aliança, repercutiu na Escola Politécnica. Os adeptos da restauração da Casa Real dos Bourbon conseguiram o fechamento temporário da Escola, acusando-a de jacobinismo Comte deixou a Politécnica e, apesar dos apelos insistentes da família, resolveu continuar em Paris. Nesse período sofreu as influências dos chamados “ideólogos”: Destutt de Tracy (1754...
tracking img