Portifolio unopar

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 20 (4965 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 13 de outubro de 2011
Ler documento completo
Amostra do texto
[pic]

SUMÁRIO

1 INTRODUÇÃO 3
2 modelos de processos agéis vs modelos evolucionários 4
2.1 Métodos de processos ágeis 4
2.1.1 XP 5
2.1.2 SCRUM 5
2.1.3 MSF Agile 6
2.1.4 MSF Agile Software Development 4.0 7
2.2 Modelo de Processo de Software Evolucionário 7
2.2.1 Espiral 8
2.2.2 Incremental 9
2.2.3 Desenvolvimento baseado em componentes 9
2.2.4 SWEBOK 9
3 Entrevista com empresasdesenvolvedoras de software 12
3.2.10 Design simples 18
4 CONCLUSÃO 32
REFERÊNCIAS 33
INTRODUÇÃO

Este trabalho tem como por objetivo abordar uma pesquisa bibliográfica sobre os Modelos de Processos Ágeis vs Modelos Evolucionários,suas principais características e especificações necessárias para o desenvolvimento e evolução do processo de engenharia de software. Eles devem ser analisados eaplicados pelo desenvolvedor, de acordo com os requisitos exigidos pelo cliente, fornecendo um software que atenda todas as funcionalidades do sistema que serão de extrema importância nas atividades desenvolvidas pela empresa.

- Considerando a técnica de Modelagem Entidade Relacionamento, explique com suas palavras o que são Entidades, Relacionamentos, Atributos, Cardinalidade, Administrador debanco de dados, modelo conceitual de dados, modelo lógico de dados e modelo físico de dados.

Entidades: São conjuntos de coisas ou objetos relevantes para o que quer representar ou armazenar de maneira concreta ou abstrata, que pode ser encontrado numa descrição textual na língua portuguesa geralmente como substantivos. Para cada elemento desse conjunto pode ser dado o nome deinstância ou ocorrência.
Vejamos um conceito importante e interessante, mas que é fatalmente sonegado aos programadores, é o conceito de entidade. Basta tentar pesquisar por este termo, e notar como o conteúdo é escasso.
Talvez por isso, os resultados são sistemas mal modelados, não normalizados, em que a aplicação tenta resolver diversos problemas da estrutura, e onde qualquer novorequisito, gera um grande transtorno, pois a análise para criação do modelo, não foi feita corretamente, de modo a deixar a estrutura robusta e expansível.
Um exercício rápido
• Volante, Pára-choque, Retrovisores, Câmbio, Chassis, Rodas, Motor, Portas…
O que lhe veio a mente? Qual objeto do nosso mundo agrega essas partes que citei? Espero que a sua resposta seja ‘um carro’.Faz parte do senso comum.
Mais uma vez
• Galhos, Folhas, Raíz, Tronco, Copa, Calotas..
Uma árvore? Só as ‘calotas’ que parecem não estar no lugar correto, pois não combinam com os outros itens, e não conseguimos imaginar que as calotas, devam pertencer a nossa árvore.
Melhor mover as 'calotas' para o 'carro' lá de cima, para se encaixar melhor em uma normalidade aceitável.Ao iniciar o levantamento de informações, o processo é mais ou menos parecido com esse. O carro, e a árvore são as nossas entidades e cada um dos itens que citei, são os atributos particulares dessas entidades. A idéia é saber a quem deve pertencer cada atributo, e sermos capazes de definirmos as entidades do nosso sistema.
Formalmente
• Uma entidade possui atributos.
• Osatributos são as características e não devem conter um grupo de informações.
• Não existem entidades com menos de 2 atributos. Logo, cada entidade, é em si, um grupo de atributos.
Trazendo de forma livre para a nossa realidade, cada Entidade é uma tabela, e cada Atributo é cada uma das colunas dessas tabelas.
O ponto que quero levantar é a compreensão do conceito. Se tenho quefazer um cadastro de usuário, preciso pensar o que a entidade usuário significa para o meu sistema e o que preciso saber dela ou não.
    CREATE TABLE `test`.`usuario` ( 
       `id` INT NOT NULL AUTO_INCREMENT PRIMARY KEY , 
       `nome` VARCHAR( 50 ) NOT NULL 
    ) ENGINE = InnoDB; 
A nossa entidade usuario possui um `nome`, e um `id`, que é um identificador...
tracking img