Ética e Cidadania.

Introdução à Filosofia Moral.1
Cada um desses homens [Lincoln, Gandhi; e Martin Luther King] sentia muito profundamente que o âmago da moralidade (e o âmago da sociedade) erao igual respeito pela dignidade humana. Cada um deles foi capaz de mostrar o respeito mútuo pressuposto pelo ponto de vista moral, reconhecendo a exigência moral de se engajar em diálogo com aquelesque discordavam profundamente deles. Foram essas características que os tornaram não apenas grandes visionários morais, mas também grandes educadores morais. Lawrence Kohlberg.

1.1

Os Valores.Diante de pessoas e coisas, estamos constantemente fazendo avaliações: "Esta caneta é ruim, pois falha muito". "Esta moça é atraente". "Acho que João agiu mal não ajudando você". "Prefiro comprareste, que é mais barato". Essas afirmações se referem à juízos de realidade, quando partimos do fato de que a caneta e a moça existem, mas a juízos de valor, quando lhes atribuímos uma qualidade quemobiliza nossa atração ou repulsa. Nos exemplos, destacamos valores que se referem à utilidade, à beleza, ao bem e mal, ao aspecto econômico. Dessa forma, os valores podem ser lógicos, utilitários,estéticos, afetivos, econômicos, religiosos, éticos etc. Mas o que são valores? Embora a temática dos valores seja tão antiga como a humanidade, só no século XIX surge a teoria dos valores ou axiologia (dogrego axios, "valor"). A axiologia não se ocupa dos seres, mas das relações que se estabelecem entre os seres e o sujeito que os aprecia. Diante dos seres (sejam eles coisas inertes, seres vivos ouidéias) somos mobilizados pela nossa afetividade, somos afetados de alguma forma por eles, porque nos atraem ou provocam nossa repulsa. Portanto, algo possui valor quando não permite que permaneçamosindiferentes. É nesse sentido que García Morente diz: "Os valores não são, mas valem. Uma coisa é valor e outra coisa é ser. Quando dizemos de algo que vale, não dizemos nada do seu ser, mas dizemos... [continua]

Ler trabalho completo

Citar Este Trabalho

APA

(2012, 09). Por que não é contraditório afirmar que. TrabalhosFeitos.com. Retirado 09, 2012, de http://www.trabalhosfeitos.com/ensaios/Por-Que-N%C3%A3o-%C3%A9-Contradit%C3%B3rio-Afirmar/348788.html

MLA

"Por que não é contraditório afirmar que" TrabalhosFeitos.com. 09 2012. 2012. 09 2012 <http://www.trabalhosfeitos.com/ensaios/Por-Que-N%C3%A3o-%C3%A9-Contradit%C3%B3rio-Afirmar/348788.html>.

MLA 7

"Por que não é contraditório afirmar que." TrabalhosFeitos.com. TrabalhosFeitos.com, 09 2012. Web. 09 2012. <http://www.trabalhosfeitos.com/ensaios/Por-Que-N%C3%A3o-%C3%A9-Contradit%C3%B3rio-Afirmar/348788.html>.

CHICAGO

"Por que não é contraditório afirmar que." TrabalhosFeitos.com. 09, 2012. Acessado 09, 2012. http://www.trabalhosfeitos.com/ensaios/Por-Que-N%C3%A3o-%C3%A9-Contradit%C3%B3rio-Afirmar/348788.html.