Politicas de renda do governo fhc

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 25 (6001 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 18 de junho de 2012
Ler documento completo
Amostra do texto
INTRODUÇÃO
Neste trabalho abordaremos políticas públicas de renda, isto é conjunto de medidas que visam à redistribuição de renda e justiça social, do governo Fernando Henrique Cardoso.
A questão distributiva, além de impactos maléficos sobre a vida da população de baixa renda, cujas condições de subsistência se vêem muitas vezes comprometida, tem também impacto negativoquanto ao acesso aos serviços públicos: habitação, saneamento, educação, saúde, etc, pela escassez de investimentos públicos e pela maior dificuldade que essa população tem em se organizar para reivindicar tais melhorias. Os impactos negativos também se fazem sentir com as tensões sociais causadas pela disparidade de condições de vida da massa da população de baixa e alta renda,que dividem os grandes centros urbanos e fazem eclodir diversos problemas sociais, como é hoje o problema da segurança pública.
Este tema é bastante recorrente nos debates brasileiros, até mesmo pela perversa concentração carregada desde a sua colonização e agravada pela existência de classes privilegiadas, que exercem seu poder sobre as instituições de modoa perpetuar o seu domínio.
Serão apresentadas algumas formas de mensuração da distribuição de renda, como a Curva de Lorenz, o Índice de Gini e o IDH (Índice de Desenvolvimento Humano). Finalmente será avaliado o impacto das medidas estabilizadoras do Plano Real na distribuição de renda no Brasil.
Dado que não houve melhora significativa na distribuição de renda, a despeito de umamelhora na taxa de pobreza do país, pode-se concluir que se, por um lado, o Plano Real conseguiu a estabilização da economia, de outro lado incorreu em severos custos sociais, que podem se verificados pelas altas taxas de juros, baixos níveis de investimento privado e público, desemprego, entre outros.
Também será observado o comportamento do salário mínimo eprevidência social no período do governo FHC, e por fim abordamos a distribuição de renda direta através de políticas sociais de combate a pobreza.

1. MEDIDAS DE DESIGUALDADE DE RENDA
1.1. Curva de Lorenz e Coeficiente de Gini
O coeficiente de Gini é uma das medidas mais comumente utilizadas na mensuração do grau de desigualdade de renda de uma sociedade.
A obtenção desse coeficiente sedá a partir da Curva de Lorenz, que é uma derivação do referencial de eixos cartesianos. Primeiro classifica-se, em um dos eixos, a percentagem acumulada das pessoas ou das famílias, conforme o caso, que recebem até um determinado nível de renda. No outro eixo, classifica-se a percentagem acumulada da renda agregada calculada para cada percentual de rendaapropriado pela população do item anterior. Por último, traça-se então a curva de Lorenz correspondente.
A seguir, segue o exemplo de uma curva de Lorenz (Figura 1). Quanto maior o grau de convexidade da curva, representado pela linha vermelha, maior o grau de desigualdade na distribuição da renda.
O valor do coeficiente de Gini é algum número entre 0 e 1, quantomais próximo de 1 for o valor, maior é a concentração de renda da região ou período analisado. Quanto mais próximo de zero, melhor a distribuição de renda, mais equitativa.
O coeficiente de Gini é calculado a partir da curva de Lorenz, através da área de concentração, especificada na Figura 1, dividida por toda a área que se encontra abaixo da linha azul, linha de perfeita igualdade. Oresultado que se obtém a partir deste cálculo é o Coeficiente de Gini.
A curva de Lorenz e o Coeficiente de Gini são medidas quantitativas da distribuição da renda, não visando responder questões qualitativas com relação a essa distribuição.

Figura 1 Curva de Lorenz
Fonte: Cacciamalli (2002)

Conforme observado na Tabela 2, a distribuição de renda brasileira...
tracking img