Poemas modernistas

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 5 (1131 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 19 de setembro de 2012
Ler documento completo
Amostra do texto
Introdução

Hoje em dia a linguagem atual tende a ser mais fácil de ser compreendida. Antigamente não eram todos os assuntos que eram retratados, e muitos deles eram copias de outras culturas.
Quando a linguagem moderna surgiu trouxe a oportunidade de renovação literária, onde houve a transformação dos personagens, eles ficaram mais realistas e brasileiros, consequentemente a linguagem podeser habituada ao linguajar um pouco mais popular e informal, transformando no que hoje é a nossa literatura brasileira.

Oswald de Andrade

Relicário (1925)
No baile da corte
Foi o conde d’Eu quem disse
Pra Dona Benvinda
Que farinha de Suruí
Pinga de Parati
Fumo de Baependi
É comê bebê pitá e caí

O poema mostra uma época em que os autores modernistas queriam exaltar a culturabrasileira. Oswald de Andrade retrata usando “relíquias” brasileiras de diversos lugares do país. Além de representar a língua popular no ultimo verso.

Biografia.
Nascido em família rica, (1890-1954), é uma das figuras mais importantes do modernismo brasileiro, trata-se do grande articulador da Semana de Arte Moderna.

Manuel Bandeira

Teresa (1930)
A primeira vez que vi Teresa
Achei que elatinha pernas estúpidas
Achei também que a cara parecia uma perna

Quando vi Teresa de novo
Achei que os olhos eram muito mais velhos que o resto do corpo
(Os olhos nasceram e ficaram dez anos esperando que o resto do corpo nascesse)

Da terceira vez não vi mais nada
Os céus se misturaram com a terra
E o espírito de Deus voltou a se mover sobre a face das águas.

O autor fala sobre aprimeira impressão que teve de Teresa: A de que ela era burra. Já no próximo encontro descreve uma expressão, onde nota-se que ele já repara o bastante nela. Por fim o personagem acaba se apaixonando por completo, não conseguindo ver mais nada .Nessa parte ele da ênfase no dito popular “O amor é cego”

Biografia.
Manuel Bandeira (1886-1966) nasceu em Recife, Pernambuco. Aos 18 anos descobre quesofria de tuberculose. Era um dos maiores poetas brasileiros de versos livres.

Carlos Drummond de Andrade

Não deixe o amor passar
Quando encontrar alguém e esse alguém fizer seu coração parar de funcionar por alguns segundos, preste atenção: pode ser a pessoa mais importante da sua vida.
Se os olhares se cruzarem e, neste momento, houver o mesmo brilho intenso entre eles, fique alerta: podeser a pessoa que você está esperando desde o dia em que nasceu.
Se o toque dos lábios for intenso, se o beijo for apaixonante, e os olhos se encherem d’água neste momento, perceba: existe algo mágico entre vocês.
Se o primeiro e o último pensamento do seu dia for essa pessoa, se a vontade de ficar junto chegar a apertar o coração, agradeça: Deus te mandou um presente: O Amor.
Por isso, presteatenção nos sinais – não deixe que as loucuras do dia-a-dia o deixem cego para a melhor coisa da vida: O AMOR.

Carlos Drummond detalha diversas sensações do amor, usando dramaticidade ao descrever as emoções. E conclui dizendo que se tudo isso aconteceu, você já se apaixonou.

A paixão medida
O poeta
Declina de toda responsabilidade
Na marchado mundo capitalista
E com suas palavras,intuições, símbolos e outras armas
Promete ajudar
A destruí-lo
Como uma pedreira, uma floresta.
Um verme.

O eu lírico demostra no poema demostra grande insatisfação com o mundo capitalista, tal que ele ajudaria a destruí-lo.

Biografia.
Carlos Drummond de Andrade nasceu em Minas Gerais no ano de 1902. É o poeta que mais se destaca na segunda geração do modernismo. Morreu em 1987, poucosdias após a morte de sua filha única, a cronista Maria Julieta Drummond de Andrade.


Mario de Andrade
O bonde abre viagem
O bonde abre a viagem,
No banco ninguém,
Estou só, stou sem.

Depois sobe um homem,
No banco sentou,
Companheiro vou.

O bonde está cheio,
De novo porém
Não sou mais ninguém.

O eu lírico do poema se mostra no começo infeliz por...
tracking img