Plinio marcos

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 4 (922 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 22 de abril de 2012
Ler documento completo
Amostra do texto
Plínio Marcos

"Os males de que padece o ser humano, em seu maior número, vêm dele mesmo".
"Os males de que padece o ser humano, em seu maior número, vêm dele mesmo".

Plínio Marcos de Barrosnasceu em Santos, em 29 de Setembro de 1935, e faleceu em São Paulo, em 19 de Novembro de 1999. Filho de um bancário (Armando) e de uma dona-de-casa (Hermínia) tinha 4 irmãos e uma irmã. Plíniodetestava a escola e levou quase 10 anos para sair do primário, tinha dificuldades de aprendizagem pois não conseguia se concentrar, seu sonha era ser jogador de futebol, tanto que entrou na aeronáuticaapenas achando que iria jogar em seu time.
Sua primeira profissão foi a de funileiro aos 16 anos se tornou palhaço, pois queria namorar uma garota de la que só podia namorar com gente do circo
Em 1958conheceu Pagu, começou a se envolver com o teatro amador e por escutar o que Pagu escrevia começou a se interessar por isso e por causa de um acontecimento muito violento escreveu Barrela sua primeirapeça teatral que por sua linguagem foi proibida por 21 anos pela censura que era muito forme naquele tempo.
Em 1960 Começa a trabalhar como Camelô. Depois, trabalhou em teatro, como ator,administrador e faz-tudo, em grupos como o Arena, a companhia de Cacilda Becker e o teatro de Nydia Lícia. A partir de 1963, produziu textos para a TV de Vanguarda, programa da TV Tupi, onde também atuou comotécnico. No ano do golpe militar, fez o roteiro do espetáculo Nossa gente, nossa música. Em 1965, conseguiu encenar Reportagem de um tempo mau, colagem de textos de vários autores, e que ficou apenas umdia em cartaz.
Praticamente todas as peças que ele escrevia eram proibidas pela censura: “Ser impedido de trabalhar, de ganhar o pão de cada dia com o suor do próprio rosto é terrível. Você tem asensação de que é um exilado no seu próprio país. Eu sei bem como é isso. Penei. Penei muito. A minha sorte é que nunca cortei os laços com as minhas raízes. Fui camelô. Voltei pra rua pra camelar. Não...
tracking img