Plantas medicinais do brasil com atividade antifúngica

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 23 (5502 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 29 de novembro de 2012
Ler documento completo
Amostra do texto
1 INTRODUÇÃO

As infecções produzidas por fungos são freqüentes em nosso país. Este fato está relacionado ao clima tropical. Mediante as condições geográficas em que se vive, tanto as micoses superficiais como as sistêmicas e oportunistas existem em grande número, causando quadros clínicos bem diversificados (SAURAT et al., 1990).
Os fungos são microrganismos eucarióticos maiscomplexos, em comparação às bactérias ou vírus. Possuem uma espessa parede constituída por quitina e polissacarídeo, uma membrana celular cujo principal componente é o ergosterol. Portanto, em razão dessas características peculiares, em geral os fungos são naturalmente resistentes aos antimicrobianos utilizados no combate ás infecções causadas por bactérias e vice-versa. (BRODY et al. 1997; SIDRIM;MOREIRA, 1999).
As principais drogas antifúngicas são os polienos (nistatina, anfotericina B), imidazóis (cetoconazol, fluconazol, miconazol, ecomazol, clotrimazol, etc.), flucitosina e griseofulvina. A toxicidade de muitas drogas antifúngicas limita seu uso, e infelizmente existem poucos fármacos que são úteis no tratamento de infecções sistêmicas (BRODY et al., 1997).
A investigaçãode substâncias antimicrobianas existentes nos vegetais teve inicio após a descoberta da penicilina. As atividades biológicas de tais substâncias encontram-se associadas à presença de compostos químicos oriundos do metabolismo secundário das espécies vegetais como alcalóides, flavonóides, taninos, cumarinas, glicosídeos e substâncias voláteis. O conhecimento sobre plantas ou produtos de síntese compropriedade antifúngica tem sido revisto e ampliado em função de crescentes problemas associados com o uso sem controle de antifúngicos e do alto custo dos antifúngicos industrializados (CARLSON et al., 1948; IEVEN et al., 1979; TAVARES, 1984).
A fitoterapia constitui uma forma de terapia medicinal que vem crescendo notadamente nos últimos anos, a ponto de movimentar um mercado de 22bilhões de dólares. Dados recentes mostram que as florestas tropicais contêm mais da metade das 500.000 espécies de plantas existentes no nosso planeta, sendo que menos de 1% destas foram estudadas com fins medicinais (STASI et al., 1994). O Brasil possui rico manancial de ervas e é considerado o de maior biodiversidade do planeta (PIRES et al., 1997).
Considerando a grande importância clínicadada às micoses, sobretudo em indivíduos imunodeprimidos, um grande número de pesquisas vem sendo desenvolvido, cuja maior meta é a obtenção de novos produtos – quer de origem natural ou sintética – eficientes no tratamento das infecções fúngicas e, ao mesmo tempo, menos tóxicos ao paciente (PIRES et al., 1997).
Faz-se mister estudar de forma mais consolidada o potencial antifúngico existenteem compostos oriundos de espécies vegetais, ditas medicinais. Importa que sejam antifúngicos potentes e possam ser usados para produção de fármacos eficientes, seguros, estáveis, e com pouca ou nenhuma toxicidade ao hospedeiro.





2 OBJETIVOS

2.1 OBJETIVO GERAL


Divulgar a comunidade científica resultados de pesquisas, realizadas com plantas medicinais do Brasil com atividadeantifúngica, bem como fornecer elementos suplementares às mesmas, para a ampliação dos conhecimentos e desenvolvimento de novos projetos.


2.2 OBJETIVOS ESPECÍFICOS


Realizar levantamento bibliográfico no NAPRALERT das plantas medicinais do Brasil com atividade Antifúngica.
Contribuir para a divulgação das plantas medicinais com propriedades antifúngicas.3 REVISÃO LITERÁRIA


A produção de medicamentos e o tratamento farmacológico das doenças tiveram início com o uso das plantas medicinais. O desenvolvimento da fitoterapia em nosso continente americano está estritamente ligado à atividade desenvolvidas nas diferentes etnias através dos curadores, xamãs, rezadeiras e quando o homem foi progredindo e...
tracking img