Pincipios e diretrizes para o combate a problemática da erosão e ou desertificação

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 7 (1513 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 19 de maio de 2012
Ler documento completo
Amostra do texto
PPGEUA PLANO DE ESTUDOS: Processos Erosivos Erivone Soedja Veriato Mangueira; e-mail: erivone_soedja@hotmail.com PINCIPIOS E DIRETRIZES PARA O COMBATE A PROBLEMÁTICA DA EROSÃO E OU DESERTIFICAÇÃO Introdução Compreende-se por desertificação a degradação (erosão) que ocorre nas áreas de clima seco (zonas áridas, semiáridas e subúmidas secas), consistindo numa das maiores ameaças ambientais que tematingido o mundo. Suas causas estão relacionadas às mudanças climáticas e as ações antrópicas (desmatamento excessivo; erosão, salinidade e perda de fertilidade dos solos; superpastejo), o que faz com que as áreas atingidas por esse processo venham a apresentar aparência de desertos (Brasil, 1999). Embora seja um fenômeno antigo, a desertificação só passou a despertar atenção internacional apartir da década de 1970, devido à ocorrência de uma série de secas que atingiram parte do continente africano, levando a vida de milhares de pessoas e animais, além de um grande prejuízo econômico para as nações atingidas. As áreas susceptíveis á desertificação, de acordo com a CCD (1995), tomaram por base a classificação climática de Thorntwaite (1941), o qual estabelece o índice de aridez. Esteíndice é calculado dividindo-se a quantidade de precipitação média anual pela evapotranspiração potencial média anual de um período mínimo de 30 anos de informações meteorológicas. Dessa forma, as áreas susceptíveis a desertificação são as que apresentam um índice de 0,21 a 0,65. O grau de susceptibilidade a desertificação, conforme Matallo Jr. e Shenkel (1999) varia de “muito alto” a “moderado”.Assim, quanto mais seca for uma dada área, mais susceptível ela é a desertificação. Entretanto, esse critério não é suficiente para caracterizar as áreas de risco, pois este envolve outros fatores, além dos critérios climáticos. Os riscos estão relacionados ao tipo e a intensidade de uso dos recursos naturais. Logo, as áreas sujeitas à maior risco estão representadas por aquelas que associam altassuscetibilidades com fatores humanos de ocupação. Sobre o combate à desertificação, o capitulo 12 da Agenda 21 ressalta que se deve conferir prioridade á implementação de medidas preventivas para as terras atingidas pela degradação ou que estejam apenas levemente degradadas, destacando ainda, que as áreas seriamente degradadas não devem ser negligenciadas. Nesse contexto, para o combate adesertificação e a seca, é essencial a
participação das comunidades locais, organizações rurais, governos nacionais e regionais (Agenda 21, 1996). No caso do Brasil, estima-se que esse processo venha comprometendo uma área de aproximadamente 181.000 km², decorrentes de impactos difusos e concentrados (MMA, 2002). As áreas susceptíveis a esse tipo de degradação no Brasil estão inseridas em terras dos estados doPiauí, Ceará, Rio Grande do Norte, Paraíba, Bahia, norte de Minas Gerais e noroeste do Espírito Santo. Tais áreas abrangem 1.201 municípios uma superfície de 1.130.790,53 km² dos quais 710.43,30 km² (62,8 %) é caracterizada como semiáridas e 420.258,80 km² (37,2%) como subúmidas secas. Em 2004, obedecendo as sugestões da Organização das Nações Unidas (ONU) e os trabalhos desenvolvidos por ocasiãoda Eco-92, o Brasil elaborou o seu Plano de Ação Nacional de Combate á Desertificação e Mitigação dos Efeitos da Seca - PAN-Brasil (BRASIL, 2004). Dessa forma, este trabalho consiste numa análise crítica em relação à criação do PAN-Brasil e das suas propostas em relação à área afetada por esse tipo de degradação em território nacional. Objetivos: Estabelecer princípios e diretrizes, identificandoos fatores que contribuem para a degradação ou erosão das terras nas regiões do semiárido paraibano e ao mesmo tempo propor medidas necessárias para a mitigação dos efeitos da seca; Contribuir para a convivência equilibrada nas regiões que sofrem com processos de erosão, por meio de sustentabilidade ambiental do bioma Caatinga, a partir de politicas ambientais, sociais econômicas, do diálogo...
tracking img