Pin mc donald

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 27 (6699 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 9 de maio de 2012
Ler documento completo
Amostra do texto
Rede McDonald´s é a mais admirada no ramo de alimentação-------------------------------------------------
Parte superior do formulário | |
| |
| |
| |
| |
| |
| |
| |
| |
Parte inferior do formulário-------------------------------------------------
Parte superior do formulárioParte inferior do formulário   Pelo quarto ano consecutivo, a redeMcDonald's foi eleita a mais admirada no segmento de restaurantes de serviço rápido, em pesquisa realizada pela consultoria Interscience e organizada pela revista CartaCapital. O levantamento, que ouve executivos e formadores de opinião, premia as companhias reconhecidas pela sua respeitabilidade corporativa e pela contribuição ao desenvolvimento socioeconômico do Brasil. Nesta edição da pesquisa, ositens de mais peso para a escolha das empresas foram inovação e ética. | * |
Uma saída para o lixo

 

A sociedade brasileira busca alternativas para os resíduos gerados nas grandes cidades. A solução é a reciclagem
Quando a multinacional de fast food McDonald’s decidiu adotar embalagens de papelão reciclável para acondicionar os sanduíches e refrigerantes servidos pela rede, milhares deconsumidores brasileiros – especialmente as crianças e os adolescentes – perceberam que o cuidado com o lixo que se produz diariamente é assunto sério. Tão sério que uma empresa do porte do McDonald’s podia se ver obrigada a assumir custos extraordinários, empreendendo mudanças na organização de fornecedores e readaptação dos próprios funcionários, para se enquadrar a normas ambientais"politicamente corretas", agora ditadas por uma nova mentalidade brasileira, muito mais preocupada com o manuseio, conteúdo e destino do lixo urbano. A responsabilidade pela coleta de materiais como o plástico, o vidro, o papel e o alumínio, ainda hoje simplesmente abandonados por consumidores e fabricantes após terem sido utilizados como embalagens ou matérias-primas, passou a ocupar espaços cada vez maioresna agenda prioritária dos órgãos do governo responsáveis pela saúde pública e preservação do meio ambiente.
Restrita inicialmente a apenas alguns centros intelectuais, como a própria Universidade de São Paulo (USP), a discussão do que fazer com o lixo doméstico, industrial ou hospitalar deixou definitivamente os círculos da elite para se tornar parte integrante da atividade política, cultural eeconômica dominante do país. Afinal, mesmo sem pensar nos aspectos do impacto ambiental, o monumental problema do lixo nas grandes metrópoles brasileiras esbarra ainda numa limitação territorial intransponível, ou seja, em breve não haverá mais locais disponíveis para armazenagem de detritos, como se faz hoje nos chamados lixões. Diminuí-los, portanto, é tarefa urgente que deve reunir toda asociedade civil, consumidores e empresas, e o poder público. Na Europa, apenas para citar uma fonte social que sempre foi espelho para os brasileiros, novas leis ambientais vão tornar caducos os aterros sanitários a partir de 2004. Assim, os países mais avançados do mundo estão resolvendo a questão do lixo a partir da reciclagem completa dos detritos sólidos reaproveitáveis e da incineração, comutilização de filtros para impedir contaminação atmosférica, do que não pode ser reutilizado na cadeia produtiva.
A passos ainda pouco acelerados, no entanto, a bandeira brasileira de defesa da coleta seletiva e da reciclagem do lixo – encaradas agora como elementos essenciais para o crescimento econômico sustentável não só do país, mas de todo o planeta – passou a ganhar adeptos importantes. Além doMcDonald’s, representando emblematicamente as corporações multinacionais, grandes grupos industriais nacionais, como a Latasa, fabricante de latas de alumínio, a Klabin, do setor de papel e celulose, a Panamco-Spal, maior engarrafadora brasileira de Coca-Cola, e a rede de supermercados Pão de Açúcar, conseguiram enxergar as vantagens dos projetos de reaproveitamento de materiais usados. Em muitos...
tracking img