Percepção e aprendizagem

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 66 (16263 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 20 de abril de 2013
Ler documento completo
Amostra do texto
UNIBAN - UNIPAN – UNIÃO PAN-AMERICANA DE ENSINO
ZENILDA APARECIDA CORREA DOS SANTOS
MARISLEY MUNHAK





















PROJETO DE ESTÁGIO NA EDUCAÇÃO ESPECIAL























CASCAVEL
2008
ZENILDA APARECIDA CORREA DOS SANTOS
MARISLEY MUNHAK






















PROJETO DE ESTÁGIO NA EDUCAÇÃO ESPECIALProjeto apresentado à disciplina de Metodologia Científica do Curso de Educação Especial Ênfase na Educação Inclusiva, Pós-Graduação Latu Sensu da FACIAC – Faculdade de Ciências Aplicadas de Cascavel; como quesito parcial de avaliação e conclusão do curso.
Orientadora Ms. Marciana Pelin KliemannCASCAVEL
2008
EDUCAÇÃO INCLUSIVA NO CONTEXTO TEORICO E PRÁTICO; UM REFERENCIAL PARA OS PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO


1. CONSIDERAÇÕES INICIAIS


A partir da participação de todos os módulos pertinentes à questão inclusiva e de uma perspectiva de respeito para com as pessoas deficientes ou carentes de atendimentoàs suas necessidades especiais, surge a problemática: como pensar em uma escola que contemple mesmo que parcialmente a diversidade de alunos?
Neste sentido, há que se ter em mente que os envolvidos com a educação devem oportunizar meios para que este atendimento se torne efetivo; Devem fornecer suporte pedagógico aos professores, oportunizar o apoio de outros profissionais comopsicólogos, psicopedagogos, fisioterapeutas, além do comprometimento financeiro e político com a educação. Pois para o professor se envolver num trabalho inclusivo, além do seu comprometimento, precisará ter o apoio da escola e demais instituições mantenedoras pois uma educação de qualidade com parâmetros inclusivos só se efetivará com o comprometimento de todos.
Pensar em educação no contextoatual, é significativamente claro propor alternativas diversas de interação, apropriação, socialização e transpor barreiras para qualquer tipo de educação, seja ela, voltada aos alunos ditos “normais” ou para àqueles com deficiência física, mental ou sensorial.
O permear do estudo efetivado deste projeto, será iniciado a partir de levantamentos biográficos e finalizado com a práticainterventiva refletida através do estágio de participação em Escolas Especiais, Centros de Atendimento específico para alunos especiais e salas da Educação Especial inseridas no Ensino Regular.


2. – HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO ESPECIAL


Segundo Mazzota (2000), a Educação Especial surgiu na Europa com as instituições que abrigavam pessoas com problemas mentais, na época chamados de loucos, idiotas,imbecis ou amaldiçoados. Os locais destinados à esta função geralmente, conotavam casas abandonadas, hospitais de guerra desativados e casas no interior inadequadas para a habitação humana.
Em consonância com o autor e afirmando a citação de Sêneca (2000), pode-se observar a discriminação para com as pessoas deficientes:


Nós matamos os cães danados, os tourosferozes e indomáveis, degolamos as ovelhas doentes com medo que infetem o rebanho, asfixiamos os recém-nascidos mal constituídos, mesmo as crianças se forem débeis ou anormais, nós as afogamos: não se trata de ódio, mas da razão que nos convida a separar das partes sãs aquelas que podem corrompê-las. (SÊNECA, 2000)


Pensar numa seleção, entre seres pensantes, nos causa impacto; pois ninguémtem o direito de tirar a vida; seja de animais ou outros humanos, afinal somos todos imperfeitos por natureza e mesmo assim, somos capazes de contribuir com a sociedade.
Amiraliam(2003), destaca: “a Educação Especial é muito especial”;
Ao longo de sua história, podemos perceber que a Educação Especial constituiu-se uma área destinada a apresentar respostas educativas a alguns...
tracking img