Pensamento economico

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 20 (4799 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 15 de maio de 2012
Ler documento completo
Amostra do texto
Memória de Economista: Roberto Campos e o pensamento econômico entre 1945 e 1964
Priscilla Carreiro Rodrigues de Lima; Noé Freire Sandes. Universidade Federal de Goiás (UFG); CEP: 74.000-00 E-mail: priscilla_carreiro@hotmail.com; noefsandes@uol.com.br Palavras-Chave: Memória, História, Econômia Política

Introdução
No decorrer da pesquisa foi de fundamental importância uma analise detalhadada obra do economista Roberto Campos, “A Lanterna na Popa”, pois o objetivo primordial desse trabalho consiste exatamente em apresentar as intervenções desse economista no cenário político-econômico brasileiro. Este projeto está vinculado ao projeto do Prof. Dr. Noé Freire Sandes "Entre a memória e a história: os exilados da velha República.” O projeto visa, sobretudo, discutir o projeto políticodos sujeitos políticos que foram derrotados em 1930. A percepção de que não mais havia espaço para o pensamento liberal era generalizada, portanto a centralização política e o crescimento do Estado foram instrumentos fundamentais para a formação de uma nova gestão da economia brasileira que se modernizava a passos largos. Roberto Campos se apresenta nesse debate como adepto do desenvolvimentismoassociado ao capital internacional. Nosso objetivo consiste fundamentalmente em avaliar o pensamento econômico brasileiro entre 1945 e 1964 significa, portanto, adentrar no debate a partir de outro patamar. Em Lanterna na popa, Roberto Campos avalia esse processo a partir de outra temporalidade. O golpe de 1964 interrompeu o ímpeto do reformismo, entretanto manteve a proeminência do Estado nodesenvolvimento da economia do país e no controle dos atores políticos. Interessa, portanto discutir a avaliação do passado nacionalista no momento de redefinição política no pós-Segunda Grande Guerra. Nessa direção, percebe-se os elementos de continuidade e descontinuidade em relação a experiência política autoritária responsável pelo ingresso do país em um acelerado processo de modernização. Para odesenvolvimento do projeto foi necessário rediscutir a avaliação do pensamento econômico nacionalista por meio da obra "Lanterna na Popa" de Roberto Campos.

O autor será apresentado por meio de uma rápida visão biográfica com o claro objetivo de situar a leitura da obra. Não se trata de biografar o autor, mas de situá-lo no seu contexto. Tendo em vista que a leitura da autobiografia como gênerotextual exige a discussão da imagem de “si” como representação, foi portanto necessário reunir dados sobre o projeto de escrita do autor e da relação entre a sua vivência e o modo como visa o passado, especialmente com a derrota dos reformistas após 1964. Para o desenvolvimento do projeto foi fundamental o debate acerca da relação entre memória e história, pois a hipótese inicial é que a obra deRoberto Campos se situa em um espaço de confluência entre as duas formas de conhecimento do passado, a memória e a história. A memória firma um compromisso com a vivência, com os afetos, com o grupo. A história, por sua vez, requer controle metódico. Entretanto as duas formas de representação do passado convivem no momento que o economista reflete sobre seu pensamento ao narrar sua vida. Dessaforma, a obra central por meio da qual se desenvolvesse o presente trabalho foi “A Lanterna na Popa”. A ironia, presente no título, já indica a subjetividade presente na autobiografia de Roberto Campos. Assim, o debate sobre o pensamento econômico se associa à história de vida, conferindo pertinência ao diálogo entre memória e história. Da leitura do texto se conclui que, a objetividade do economistatende a ceder espaço para a subjetividade das vivências do homem Roberto Campos. O reformismo nacionalista modificou a gestão do Estado e da economia brasileira. O projeto modernizador liderado por Vargas se transformou em uma ideologia política e, posteriormente, em um projeto político que conduziria o país a modernização com clara liderança das chamadas “esquerdas”. O fim da 2ª Guerra...
tracking img