Pedagogia

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 3 (675 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 30 de novembro de 2012
Ler documento completo
Amostra do texto
Trabalho em Grupo(sugestões para introdução e desenvolvimento)

1- Introdução
São cada vez mais comuns os casos homofóbicos no Brasil. Vemos quase todos os dias na televisão, reportagens sobrejovens que foram assassinados ou espancados por terem se assumido homossexuais. O assunto tem sido tão comum, que tem sido retratado em novelas e seriados.
A tolerância com essas pessoas chega a serquase zero, mas por que agir assim se eles são seres humanos como qualquer um? Como combater a violência e o preconceito? Esse tema será tratado de tal forma, que surjam a partir dessa discussão,objetivos e metas a serem cumpridas pelos educadores, de forma que esse mal seja ao menos diminuído no meio escolar.

2- Desenvolvimento
Com efeito, conforme lembra Sérgio Carrara:
se umadolescente ou um aluno manifesta qualquer sinal de homossexualidade, logo aparece alguém chamando-o de “mulherzinha” ou “mariquinha”. O que poucos se perguntam é por que ser chamado de mulher pode serofensivo. Em que sentido ser feminino é mau? (CARRARA, 2006).

A dificuldade de se perceber a homofobia como um fenômeno intrinsecamente relacionado a questões e relações de gênero parece manter forte nexocom as repetidas críticas de que o conceito de homofobia se refere apenas a casos de discriminação contra homossexuais masculinos.
É comum presenciarmos no cotidiano escolar, atitudesdiscriminatórias por parte dos alunos, em relação àqueles que eles julgam ser diferentes.
Piadinhas e xingamentos ocorrem com frequência, coisas como, “bichinha”, “viadinho”, e por aí vai aumentando as palavras debaixo calão, o preconceito e a vergonha por aqueles ofendidos.
Muitas vezes esses preconceitos começam em casa e são alimentados pelos pais mesmo sem perceber. “A família ganha destaque nessecomportamento homofóbico ao orientar crianças a distinguir brinquedos de meninas e meninos, ou mesmo quando os meninos ouvem a velha frase” isso é coisa de mulherzinha”, ou ainda “ homem não chora”.
E...
tracking img