Pedagogia do oprimido

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 8 (1848 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 23 de abril de 2013
Ler documento completo
Amostra do texto
SUMÁRIO


INTRODUÇÃO 4
QUEM É O OPRIMIDO? 7
A EDUCAÇÃO NA VIDA DO OPRIMIDO 8
A VISÃO FREIRIANA SOBRE A PEDAGOGIA DO OPRIMIDO 10 CONSIDERAÇÕES FINAIS 10REFERÊNCIAS 12



INTRODUÇÃO





O livro propõe uma pedagogia com uma nova forma de relacionamento entre professor, estudante e sociedade.
Dividido em quatro capítulos, esse livro tem como objetivo destacar que os educadores devem assumir uma postura revolucionária a fim de conscientizar as pessoas sobre a ideologia opressora, tendo como compromisso a libertação da classeoprimida.
O autor ainda enfoca que a classe opressora precisa de uma teoria para manter a sua libertação buscando a restauração, animando-se da generosidade autêntica, humanista e não “humanitarista”, pois se propõe à construção de sujeitos críticos, comprometidos com sua ação no mundo.
A PEDAGOGIA DO OPRIMIDO E O HOMEM QUE A PENSOU




O livro Pedagogia do Oprimido cita sobre oeducador e o ato de educar na visão dessa pedagogia. Tem como autor Paulo Reglus Neves Freire, que foi o mais célebre educador brasileiro, com atuação e reconhecimento internacionais. Foi conhecido principalmente pelo método de alfabetização de adultos que leva seu nome, ele desenvolveu um pensamento pedagógico assumidamente político. Para Freire, o objetivo maior da educação é conscientizar oaluno. Isso significa, em relação às parcelas desfavorecidas da sociedade, levá-las a entender sua situação de oprimidas e agir em favor da própria libertação. Este livro foi considerado a sua principal obra e os conceitos nele contidos baseiam boa parte do conjunto de sua obra. Nele é abordado sobre a necessidade de se respeitar o contexto cultural e familiar dos estudantes, dando oportunidade departicipar do processo de ensino-aprendizagem, tendo voz ativa e vislumbrando realidades de ensino.
Ao propor uma prática de sala de aula que pudesse desenvolver a criticidade dos alunos, Freire condenava o ensino oferecido pela ampla maioria das escolas (isto é, as "escolas burguesas"), que ele qualificou de educação bancária. Nela, segundo Freire, o professor age como quem depositaconhecimento num aluno apenas receptivo, dócil. Em outras palavras, o saber é visto como uma doação dos que se julgam seus detentores. Trata-se, para Freire, de uma escola alienante, mas não menos ideologizada do que a que ele propunha para despertar a consciência dos oprimidos. "Sua tônica fundamentalmente reside em matar nos educandos a curiosidade, o espírito investigador, a criatividade", escreveu oeducador. Ele dizia que, enquanto a escola conservadora procura acomodar os alunos ao mundo existente, a educação que defendia tinha a intenção de inquietá-los.
A obra problematiza a pedagogia do homem ao contrário da pedagogia que parte dos interesses individuais, egoístas e opressores, aparece a pedagogia libertária, possível através da união entre teoria e pratica, onde a liderançarevolucionária estabelece uma relação dialógica fazendo com que educador e educando ensinem e aprendam juntos. Diálogo é o fator essencial para construir seres críticos. Ele é contrário a teoria anti-dialógica que é caracterizada das elites dominadoras.
A divisão da classe popular é importante para a classe opressora porque sem ela, corre o risco de despertar na classe oprimida o sentido deunião, que é elemento indispensável a ação libertadora. O primeiro passo para a unificação é conhecer a verdadeira face do mundo e que vive. A ação cultura está a serviço da opressão consciente ou inconsciente, ou a serviço da libertação dos homens.
A divisão de classes gera duas pedagogias: pedagogia dos dominantes: onde a educação existe como prática de dominação rígida, negando a educação e...
tracking img