Patologoa

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 17 (4008 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 23 de abril de 2013
Ler documento completo
Amostra do texto
1.0 INTRODUÇÃO

O coração é o órgão do corpo humano que mais duramente trabalha. Ao longo da vida, encarrega-se de bombear continuamente o sangue rico em oxigênio e os nutrientes vitais através de uma rede arterial a todas as partes e os tecidos do corpo. Tem seu própriosistema arterial, conhecido como artérias coronárias, as quais transportam o sangue rico em oxigênio ao músculo cardíaco (o miocárdio).
Se o fluxo sanguíneo ao miocárdio se interrompe, ocorre uma lesão conhecida como infarto, ou em outras palavras, uma parada cardiorrespiratória, chamado de forma popular ataque cardíaco ou ataque de coração.
A causa mais freqüente de paradacardiorrespiratória se deve a uma doença das artérias coronárias. Para poder levar a cabo a árdua tarefa do bombeio de sangue, o músculo cardíaco precisa de um fornecimento abundante de sangue rico em oxigênio, o qual provém da rede de artérias coronárias. A doença coronária é o resultado final de um complexo processo denominado arteriosclerose (comumente chamado "endurecimento das artérias").Denomina-se como infarto do miocárdio a morte celular causada pela falta de miofibrilas pelo fornecimento de sangue a uma área do coração que é um resultado de uma oclusão total e aguda da artéria que irriga o território.
A causa da oclusão coronária total, na maioria dos casos, é devida a trombose resultante da fratura de uma placa aterosclerótica intra-coronariana independentemente do grau deobstrução causada pela sua violação. Em outras ocasiões é o resultado de um espasmo intensivos coronários (angina Prinzmetal) que se estende ao longo do tempo, mesmo quando não há aterosclerose coronariana.
O infarto do miocárdio também pode ocorrer quando se apresenta significativo grau de ocorrência de obstrução coronária por uma placa aterosclerótica arterial e mudanças de tônusnormal da artéria, por oclusão completa, com ou sem ruptura da placa.

2.0 HISTÓRICO
O infarto sempre esteve associado à velhice, uma doença que teria como vítima predileta quem já passou dos 60 anos. Puro engano, sobretudo no Brasil. A freqüência de ataques do coração entre brasileiros com menos de 55 anos é 40% maior que a média no resto do mundo. E pior: nessa faixa etária o infarto tende a serfulminante. Isso ocorre porque o coração ainda não viveu o suficiente para criar a chamada circulação colateral - uma rede de pequenos vasos que se forma com a idade e serve de caminho alternativo para a irrigação sanguínea. "Os mais jovens não devem ignorar os riscos das doenças cardíacas". As atenções dispensadas ao músculo cardíaco devem começar ainda na juventude. Os primeiros controlespreventivos do coração são recomendados a partir dos 20 anos .
Lento e silencioso - O infarto é conseqüência de um mal de evolução lenta e silenciosa. Erroneamente, muitos acreditam que seria suficiente levar uma vida saudável para manter o coração funcionando bem. Obviamente, fugir dos fatores de risco é um cuidado essencial nesse caso. Mas não basta. É preciso ter em conta outros fatores, como osgenéticos. Homens e mulheres com histórico de infarto na família devem redobrar a atenção. Era o caso de Luís Eduardo, cujo pai sofre de problemas cardíacos. "Ninguém está livre de sofrer um infarto". "De cada dez problemas cardíacos, três não estão relacionados a nenhum fator de risco".
O controle dos fatores de risco e os exames periódicos reduzem em mais da metade o perigo de um infarto.Em apenasuma hora é possível fazer um check-up completo do coração. São três os exames. O eletrocardiograma mede o ritmo dos batimentos cardíacos por intermédio de eletrodos colados ao peito do paciente. Há também o ecocardiograma, um ultra-som que fornece imagens do coração em pleno funcionamento. O mais sofisticado é a cintilografia do miocárdio.O paciente ingere uma solução que percorre todos os vasos...
tracking img