patologia

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 19 (4581 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 14 de junho de 2013
Ler documento completo
Amostra do texto
REABILITAÇÃO DE EDIFÍCIOS
REABILITAÇÃO DE EDIFÍCIOS
METODOLOGIA - DIAGNÓSTICO
METODOLOGIA - DIAGNÓSTICO
Vasco Peixoto de Freitas
Vasco Peixoto de Freitas
Marília Sousa
Marília Sousa

Vasco Peixoto de Freitas, Marília Sous
a

D
ezembro de 2003- 1

ESTRUTURAÇÃO

I.

METODOL OGIA A UTILIZAR NO PROJECT O DE
REABILITAÇÃO DE EDIFÍCIOS

II.

AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DAS
SOL UÇÕESUTILIZADAS NAS OBRAS DE
CONSERVAÇÃO E REABILITAÇÃO DE
HABIATÇÃO DE CUSTOS CONTROLADOS

III. DURABILIDADE

Vasco Peixoto de Freitas, Marília Sous
a

D
ezembro de 2003- 2

1

II
METODOLOGIA PARA A ELABORAÇÃO DE
METODOLOGIA PARA A ELABORAÇÃO DE
PROJECTOS DE REABILITAÇÃO
PROJECTOS DE REABILITAÇÃO

Vasco Peixoto de Freitas, Marília Sous
a

D
ezembro de 2003- 3

METODOLOGIAPARA A ELABORAÇÃO
DE PROJECTOS DE REABILITAÇÃO
1.ª Fase

Elaboração de um estudo de diagnóstico - proposta de
soluções e estimativa de custos unitários

2.ª Fase

Definição por parte do dono-de-obra da estratégia de
intervenção - dependente da disponibilidade financeira

3.ª Fase

Elaboração do projecto de execução

4.ª Fase

Consulta de empresas de construção e análisetécnicoeconómica das propostas

5.ª Fase

Contratação da equipa de fiscalização (controlo técnico e
financeiro dos trabalhos) e adjudicação da obra

6.ª Fase

Execução da obra

Vasco Peixoto de Freitas, Marília Sous
a

D
ezembro de 2003- 4

2

1.ª FASE — DIAGNÓSTICO

Que informação precisa o projectista?
Que meios de diagnóstico deve utilizar?

Vasco Peixoto de Freitas, Marília Sousa

D
ezembro de 2003- 5

1.ª FASE — DIAGNÓSTICO

1.1. Análise da informação escrita e desenhada

• Desenhos gerais e de pormenor
• Especificações técnicas de trabalhos
executados

• “História” de eventuais intervenções

Vasco Peixoto de Freitas, Marília Sous
a

D
ezembro de 2003- 6

3

1.ª FASE — DIAGNÓSTICO
1.2. Realização de um inquérito
• Identificar os fogos-tipomais degradados que devem
ser visitados

• Verificar o carácter sistemático de certas patologias
• Detectar as exigências dos utilizadores

Vasco Peixoto de Freitas, Marília Sous
a

D
ezembro de 2003- 7

1.ª FASE — DIAGNÓSTICO

1.3. Visita ao interior e exterior dos edifícios
1.4. Realização de um levantamento fotográfico
do edifício e suas patologias
1.5. Medidas “in situ” ou emlaboratório

Vasco Peixoto de Freitas, Marília Sous
a

D
ezembro de 2003- 8

4

ENSAIOS E MEDIDAS
ENSAIOS DE ARRANCAMENTO POR TRA CÇÃO

Estes ensaios permitem:

• Avaliar as

características do
suporte

• Escolher a técnica de
reabilitação da
fachada

Vasco Peixoto de Freitas, Marília Sous
a

D
ezembro de 2003- 9

ENSAIOS E MEDIDAS
ESTUDOS DE TERMOGRAFIA


•Permitem detectar pontos
singulares dos elementos
construtivos;



Vasco Peixoto de Freitas, Marília Sous
a

Permitem determinar a
distribuição de temperaturas
numa superfície;

Etc.

D
ezembro de 2003- 10

5

ENSAIOS E MEDIDAS
ENSAIOS MECÂNICOS SOBRE
REVESTIMENTOS DE PAREDES

• Ensaio de choque de esfera
• Ensaio de quadriculagem
• Ensaio de riscagem
• Ensaio de abrasão• Ensaio de lustragem
Vasco Peixoto de Freitas, Marília Sous
a

D
ezembro de 2003- 11

ENSAIOS E MEDIDAS
CARACTERIZA ÇÃO DA ABSORÇÃO/CA PILARIDADE
DOS MATERIA IS

Ensaios que permitem av aliar
a f acilidade de penetração de
água (por sucção) através dos
materiais.
Em França é determinado o
coef iciente de capilaridade - C
[g/(cm 2.min0,5)] e na Alemanha
o coef iciente deabsorção de
água - A [kg/(m 2.h0,5)]

Vasco Peixoto de Freitas, Marília Sous
a

D
ezembro de 2003- 12

6

ENSAIOS E MEDIDAS
DETERMINA ÇÃO DA PERMEABILIDADE LÍQUIDA
DOS MATERIA IS

Ensaios em laboratór io

Ensaios “in situ”

Vasco Peixoto de Freitas, Marília Sous
a

D
ezembro de 2003- 13

ENSAIOS E MEDIDAS
DETERMINA ÇÃO DA PERMEA BILIDADE AO VAPORDE
ÁGUA DOS MATERIA IS...
tracking img