Patologia das alvenarias

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 5 (1188 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 20 de julho de 2012
Ler documento completo
Amostra do texto
2.4 – FISSURAS CAUSADAS POR DEFORMABILIDADE EXCESSIVA DA ESTRUTURA DE CONCRETO.

A evolução tecnológica do concreto armado proporcionou um considerável aumento da flexibilidade das estruturas, exigindo dos calculistas mais cuidados na análise das deformações e suas consequências. Os principais fatores de influência da evolução tecnológica, são:
- fabricação de aços mais elásticos (maiorlimite de elasticidade);
- produção de novos cimentos;
- refinamento dos cálculos estruturais.
Apesar de existirem casos, são raras as situações de patologias causadas por deformação de estruturas submetidas à compressão. Os casos mais comuns são de estruturas em regime de flexão causada tanto pelo peso próprio, como pela ação de sobrecargas permanentes ou acidentais. Nasituação de flexão, admiti-se um limite para as flechas, cujo o esforço pode ser absorvido pelas alvenarias ou outros elementos do sistema estrutural. Ultrapassar os limites pode significar prejuízos para a estrutura, paredes ou outros elementos do edifício.
A Norma NBR 6118 (antiga NB1) determina, na alínea C item 4.2.3.1, os seguintes limites máximos de flechas para vigas e lajes:
a) “as flechas medidas a partir do plano que contém os apoios, quando atuarem todas as ações, não ultrapassarão 1/300 do vão teórico, exceto no caso de balanços para os quais não ultrapassarão 1/500 do seu vão teórico”;
b) “ o deslocamento causado pelas cargas acidentais não será superior a 1/500 do vão teórico e 1/250 do comprimento teórico dos balanços”.
Considerando que não existeconsenso sobre a exatidão dos valores limites de flechas admissíveis pelas alvenarias apoiadas em vigas ou lajes, deve-se ter em conta uma avaliação cada vez mais criteriosa do que o apenas atendimento aos critérios de segurança. Assim, devem ser tomadas providencias de cálculo para:
- verificação das flechas no regime elástico;
- verificação de fissuração;
- verificação dadeformação lenta do concreto.
Nesta última verificação não devem ser esquecidas considerações que envolvem as propriedades reológicas do concreto armado, as condições climáticas e a idade da estrutura.
A complexidade da deformação lenta do concreto reside no seguinte conjunto de fatores:
- deformações diferenciadas entre o cimento e os agregados;
- intensidade e natureza dascargas aplicadas;
- presença ou não de armadura na zona comprimida das peças;
- condições de umidade e temperatura;
- retração do concreto (relação água/cimento e cura);
Como foi dito anteriormente, a estrutura de concreto se deforma naturalmente pelo peso próprio, pelas cargas permanentes e acidentais ou pela deformação lenta. A parcela da flecha final correspondente àdeformação lenta é de difícil determinação. Pode–se admitir que, em vigas com armadura de compressão, a parcela da flecha provocada pela deformação lenta do concreto é 2 vezes a flecha instantânea calculada a partir do momento de serviço (cargas permanentes e acidentais).
O gráfico da Figura 26, mostra a evolução da flecha em uma viga fletida e a flecha final é obtida da equação:f∞ = fi + 2.fg.


Figura 26 – Evolução da flecha de uma viga fletida, considerando a deformação lenta do concreto

fr = Parcela de flecha antes da fissuração (momento de fissuração).


fg = Flecha provocada pela fissuração da viga.


fi = Flecha instantânea máxima da viga fissurada (momento de serviço).

2fg = Flecha provocada peladeformação lenta do concreto.

Dov Kaminetzky distingue duas fases de deformação do concreto:
- Inicialmente vem a fase de encolhimento ou retração (Shrinkage), na qual se processam as reações químicas e higroscópicas, e que segue pelos 4 ou 5 anos iniciais da obra, cessando completamente após este período;
- Com a ação da sobrecarga, vem a fase de encurtamento e deformação lenta...
tracking img