Paradigma da violencia

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas: 76 (18993 palavras)
  • Download(s): 0
  • Publicado: 29 de março de 2011
Ler documento completo
Amostra do texto
ESTRATÉGIAS WIEVIORKA, Michel. O novo paradigma da violência.Paulo, Social;5-41,Sociol. USP,1997. 9(1): 5-41, maio de 1997. DE Tempo Social; Rev. Sociol. USP, S. Tempo 9(1): Rev. maio de S. Paulo,

INTERVENÇÃO POLICIAL NO ESTADO CONTEMPORÂNEO

O novo paradigma da violência
MICHEL WIEVIORKA

RESUMO: O autor procura redimensionar o conceito de violência dentro do atual estado de globalizaçãomundial. Crise internacional, narcotráfico, derrocada do bloco socialista no leste europeu, políticas assistenciais de organismos internacionais, conceitos de desenvolvimento e de subdesenvolvimento, terrorismo, sectarismo político e religioso, novas conceituações culturais e sociais são temas trabalhados pelo autor com vistas ao estabelecimento de um novo paradigma da violência.

UNITERMOS:violência, Estado, violência do Estado, criminalidade, segurança, políticas públicas, políticas internacionais, globalização.

violência não é a mesma de um período a outro. Nesse sentido, o historiador Charles Tilly faz um esclarecimento útil quando se propõe a caracterizar cada grande época histórica que ele estuda por seu “repertório” específico das formas da ação, e mais particularmente daviolência (cf .Tilly, 1986). Precisamente, as transformações recentes, a partir dos anos 60 e 70, são tão consideráveis que elas justificam explorar a idéia da chegada de uma nova era, e, assim, de um novo paradigma da violência, que caracterizaria o mundo contemporâneo. Quer se trate das manifestações tangíveis do fenômeno, e suas representações ou da maneira como as ciências sociais o abordam,mudanças tão profundas estão em jogo que é legítimo acentuar as inflexões e as rupturas da violência, mais do que as continuidades, que por isso se deve para tanto subestimar. Acrescentemos que, deixando de lado como aqui o faremos, a questão do aperfeiçoamento tecnológico e científico no domínio das armas, estaremos nos privando de elementos que certamente vão no sentido da idéia de um novoparadigma1.

A

Diretor do Centre d’Analyse et d’Intervention Sociologiques CNRS-Paris, França

5

WIEVIORKA, Michel. O novo paradigma da violência. Tempo Social; Rev. Sociol. USP, S. Paulo, 9(1): 5-41, maio de 1997.

1. Mudanças

a. Novos significados A violência, hoje, renovou-se profundamente nos significados de suas expressões mais concretas, e insistiremos aqui, no essencial, nas mudançasque a caracterizam desde o fim dos anos 60. Uma perspectiva de mais longa duração, tomando por exemplo como período de referência o século que passou, não comprometeria a hipótese de um novo paradigma que vamos examinar; ela sugeriria simplesmente, talvez, que entre as significações mais decisivas de hoje, algumas se assemelham às que caracterizaram o início da era industrial, quando as classescontestadoras nascentes eram percebidas como classes perigosas ou que, em um país como a França, fenômenos de bandos e condutas de violência juvenil imputadas aos “Apaches” ocupavam as colunas dos jornais2. a1. Importantes nos anos 70 e ainda nos 80, a violência política e o terrorismo de extrema-esquerda – ligados à longa desestruturação das ideologias, dos regimes e dos partidos de inspiraçãomarxista-leninista, assim como a uma recusa cada vez mais artificial em perceber o declínio histórico do movimento operário – regrediram em toda parte; Ação Direta, Brigadas Vermelhas, Células Revolucionárias, Facção Exército Vermelho, etc. Esse tipo de organização está esgotado em praticamente todo o mundo, quase liquidado historicamente – o que não quer dizer que será preciso excluir, no futuro, oretorno de ideologias marxistas-leninistas e violências que nelas se inspiram, como já se vê hoje no México, onde a guerrilha do ERP (Exército Popular Revolucionário) adota orientações que lembram sob vários aspectos, os anos 60 e 70. Quase simetricamente, a violência de extrema-direita, animada por projetos de tomada do poder do Estado, também regrediu, muitas vezes substituída por condutas que...
tracking img