Parada 174

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 6 (1253 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 10 de novembro de 2011
Ler documento completo
Amostra do texto
[pic]

SUMÁRIO

1 INTRODUÇÃO 3

2 ANÁLISE PARADA 174 4

4 CONCLUSÃO 7

REFERÊNCIAS 8

INTRODUÇÃO

A seguir será apresentada uma análise critica do filme Parada 174 (2002), de José Padilha, filme este que aborda a dura vida enfrentada por crianças carentes que sobrevivem entre as desigualdades sociais encontradas não somente nas comunidades que vivem nos morros do Riode Janeiro, mais que ali se encontram mais intensificadas.
Está análise visa mostrar a profundidade das desigualdades em nossa sociedade e o papel do assistente social no combate a estas desigualdades e como o estado age a fim de colaborar nesse trabalho.
A importância deste trabalho é promover uma melhor visão da situação social em que vivem as comunidades maiscarentes da sociedade e a par destas desigualdades procurar encontrar formas de auxiliar a reduzir a disparidade entre os mais favorecidos e os que vivem em situações desfavoráveis.

ANÁLISE PARADA 174

Parada 174 (2002), filme de José Padilha narra a historia de Sandro, menino pobre, morador de São Gonçalo estado do Rio de Janeiro. Sandro foi o protagonista do seqüestro do ônibus 174,em 12 de junho de 2000, na zona sul do Rio de Janeiro. O seqüestro teve grande repercussão nos meios de comunicação até mesmo no exterior, esse incidente terminou com a morte de uma refém atingida por um policial e por um tiro de Sandro que também foi morto, morte que ocorreu dentro da viatura que o retirava do local, ele foi sufocado por policiais que o acompanhavam na viatura.
Ofilme em questão Parada 174 mostra a trajetória da vida de Sandro, mostrando o caminho trilhado pelo rapaz até o dia 12 de junho de 2000, tendo como objetivo mostrar que o personagem Sandro aparentemente foi vitima de um processo de exclusão social a tal ponto que o obrigou a encontrar proteção no mundo do crime e que esse processo de exclusão é de inteira responsabilidade do Estado.Sandro era um jovem nascido em uma comunidade do morro em São Gonçalo filho de mãe solteira, dona de um bar com o qual sustentava seu filho,a mãe de Sandro foi brutalmente assassinada durante um assalto ao seu estabelecimento. Sandro foi acolhido pela tia porem seu tio não via com bons olhos a presença do sobrinho, diante da situação Sandro escolhe morar nas ruas em Copacabana local onde sua mãetinha vontade de montar um quiosque. Assim começa a jornada de Sandro como a de milhares de crianças no Brasil e também em todo o mundo, a historia de Sandro não é nova como também não é nova a idéia de se usar tragédias reais em obras de ficção que tem como objetivo julgar e condenar os supostos culpados pelo que acontece na vida de pessoas como a de Sandro.
Por certo vemos que oestado tem sim sua parcela de culpa, pois está entre suas obrigações zelar pelos cidadãos, não importando classe social, cor ou qualquer outro fator de descriminação, Sandro não foi criado pela negligência do estado em atender os mais necessitados como vivemos em uma democracia quem os elegeu foram nos então responsabilizar somente o estado é fechar os olhos para a verdadeira realidade que em umasociedade todos são responsáveis pelos acontecimentos.
É certo que o estado tem de zelar pela população proporcionar moradias, educação, e as demais necessidades da coletividade, entretanto isso não ocorre, vemos que no filme todos os direitos humanos violados Sandro não teve nenhuma assistência social por parte do estado quando da morte de sua mãe, quando se decidiu morar nas ruas napraça da Candelária viu-se obrigado a se virar sozinho contando com o digamos auxilio dos mais antigos nas ruas, para sobreviver fazia pequenos furtos e com o dinheiro comprava drogas que eram usadas para se desligarem da realidade de seus dias e relembrar seus tempos felizes quando vivia com sua mãe. A única ajuda veio de uma ONG que servia a sopa era um breve momento de alegria para aquelas...
tracking img