Os espaços socio-ocupacionais do assistente social

1. Disserte sobre os campos de trabalho do Serviço Social,na contemporaneidade?

Iamamoto pontua em seu texto a respeito do perfil dos assistentes sociais no Brasil, de acordo com dados de 2004 (CEFESS, 2005) que a maioria dos profissionais encontra-se inseridos em instituições públicas, o segundo empregador são as empresas privadas, ficando por último o terceiro setor, ONGs etc,onde as particularidades, do trabalho do assistente social irão variar de acordo com o tipo de instituição no qual o mesmo será empregado. A autora pontua que o profissional ingressa nas instituições empregadoras como parte de um coletivo de trabalhadores que implementa as ações institucionais/empresariais, cujo resultado final é fruto de um trabalho combinado ou cooperativo, que assume perfisdiferenciados nos vários espaços ocupacionais. Sendo as condições sociais o determinante para o cotidiano das ações profissionais. Desta forma a autora descreve em seu texto a constante tensão existente no trabalho do assistente social, visto que o mesmo é controlado e submetido ao poder do empregador, e do outro lado existem as demandas dos sujeitos de direitos e a relativa autonomia profissional paraperfilar o seu trabalho.
Nos estabelecimentos públicos se caracteriza a prestação de serviços sociais na esfera pública as tendências de organização das políticas sociais como resultantes de processos políticos que assumem dimensões técnicas, onde o trabalho do assistente social tende a dispor de melhores condições de uso de sua autonomia técnica e desenvolvimento das ações. Onde de acordo comIamamoto o Estado tem sido historicamente o maior empregador dos assistentes sociais atribuindo a característica de servidor público ao assistente social, destacando como um dos elementos que incide sobre o trabalho a burocracia. Onde o princípio efetivo da burocracia é o culto à autoridade que constitui a mensalidade burocrática por excelência, em contradição com o sistema de saber.
Valeressaltar diante do exposto como a autora classifica bem a constante tensão entre a defesa dos direitos sociais e a mercantilização e refilantropização do atendimento às necessidades sociais, implicando nas condições de trabalho do assistente social.
Nos instituições privadas a requisição do assistente social se dá para sua atuação da responsabilidade social, mobilização e capacitação dovoluntariado, nos processos de gestão e controle de qualidade da produção, nos programas de qualidade de vida e de ambiência clima organizacional, na esfera empresarias a finalidade do trabalho é a produção do valor, mesmo não se relacionando com o produto final, mas com os processos a eles relacionados.
Cabe ressaltar o apontamento que Iamamoto faz com relação ao sentido e resultado do trabalhodo assistente social, visto a lógica diferente que assume a do direito privado e do direito público, alterando o significado social do trabalho técnico-profissional e seu nível de abrangência mesmo sendo o trabalho concreto do assistente social idêntico, em seu conteúdo útil e formas.
Dando continuidade nos estabelecimentos filantrópicos e não governamentais a atuação profissional se faz deforma mais técnica relacionada a procedimentos de captação de recursos, elaboração de projetos, acompanhamento das instâncias de controle social e articulação interinstitucional com órgãos públicos.
Desta maneira o trabalho do assistente social se inscreve no campo da prestação dos serviços em estabelecimentos públicos e privados (empresariais, filantrópicos e organizações não governamentais)integrando processos de trabalho coletivos determinados pelas mudanças no mundo do trabalho pelas novas configurações do Estado, pela dinâmica dos movimentos sociais e pelas formas de organização dos serviços pelas diferentes políticas sociais. Onde em cada instância de trabalho do assistente social a sua atuação profissional será diferenciada pela organização do processo de trabalho de acordo com...
tracking img