Os desafios das relações trabalhistas na sociedade do conhecimento

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 15 (3510 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 6 de novembro de 2011
Ler documento completo
Amostra do texto
[pic]

SISTEMA DE ENSINO PRESENCIAL CONECTADO

INTRODUÇÃO

O século XX foi palco de inúmeras mudanças econômicas, sociais e tecnológicas no mundo inteiro. Diversos paradigmas atuaram e ainda continuam em pleno processo de transformação.
Neste sentido defende-se a releitura do direito do trabalho. Questões fundamentais devem ser revistas como níveis de ocupação,qualificação da força de trabalho, conhecimentos adquiridos, locais e formas de construção das experiências sociais e da identidade das pessoas, dos grupos e das classes e a vitimização nas relações de trabalho.
Na nova era da informatização, os principais grupos sociais da sociedade do conhecimento serão os trabalhadores do conhecimento, executivos que sabem como alocar conhecimentopara usos produtivos, assim como os capitalistas sabiam como alocar capital para isso.
O desafio econômico da sociedade pós-industrial se caracteriza pela produtividade do trabalho com conhecimento e do trabalhador do conhecimento. Esses trabalhadores, regra geral, carecem da educação necessária para serem trabalhadores do conhecimento.
A classe trabalhadora deve estarbem mais instruída e qualificada para compor a força de trabalho nos diversos setores econômicos da sociedade moderna. Entretanto, mesmo sendo esta a tendência aceptiva nesta fase histórica de desenvolvimento tecnológico, o Brasil ainda é um país onde a estrutura ocupacional é bastante estratificada e com uma grande parcela composta por trabalhadores pouco qualificados e despreparados. É nessesentido que se entende a existência do aumento das desigualdades e a exclusão digital da grande massa populacional.
O presente trabalho aborda os direitos trabalhistas, sobretudo, acerca das relações trabalhistas contemporâneas e as principais leis a serem usadas nestas relações.

DESENVOLVIMENTO

No mundo atual, vivem-se tempos de profundas mudanças na forma deproduzir e competir. São igualmente profundas as mudanças no padrão de investimento e de incorporação tecnológica. Todas essas transformações provocam sérios impactos na forma como se organiza o mercado de trabalho, como se gera o emprego – e também o desemprego e a informalidade, como se alocam os recursos produtivos da sociedade e como se definem as remunerações. Mas o dinamismo das mudanças provocaoutras reações: modifica-se o modo como indivíduos e famílias se organizam, alteram-se as formas de engajamento de crianças, jovens e até mesmo adultos na educação, muda a maneira como homens e mulheres dividem e compartilham o mundo do trabalho, e mudam ainda os papéis que tradicionalmente eram destinados aos idosos.
No Brasil, a abertura comercial estimulou os aumentos deprodutividade e acelerou a adoção de novas tecnologias, principalmente nas áreas de automação, comunicação e processamento de dados. Mas não apenas nelas, pois houve disseminação de avanços tecnológicos por praticamente toda a atividade econômica. Ao lado das privatizações, a abertura e as inovações acarretaram profundo rearranjo setorial e reestruturação empresarial, com impacto não desprezível noaumento da taxa de desemprego e efeitos diferenciados sobre a renda e o emprego de trabalhadores com diferentes características – notadamente, idade e grau de instrução.
As inovações tecnológicas, de acordo com a história são responsáveis por desemprego, devido a vários motivos. Um aspecto a se considerar é o do aumento da produtividade com as novas tecnologias e a conseqüenteracionalização dos processos e redução da necessidade de mão-de-obra. Naturalmente, existem efeitos compensatórios, como a criação de novos produtos, serviços e mercados.
Outro elemento a ser considerado é a alteração na estrutura ocupacional e no perfil da força de trabalho. No momento em que a tecnologia extingui posições de trabalho de um determinado perfil profissional, geralmente cria...
tracking img