Os anos 30,40 e 50 do cinema português

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 5 (1017 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 13 de março de 2012
Ler documento completo
Amostra do texto
História do Cinema Português As décadas de 30, 40 e 50 do século XX não só marcaram uma nova etapa do cinema português, como são elas próprias marcadas pela ideologia que caracterizou a actuação política do Estado Novo, ao nível da cinematografia portuguesa. A par da introdução do sonoro e da onda crescente de exibição de filmes estrangeiros assiste-se, no início deste período, a um forte apelo àprodução nacional. Contudo, a ambição e empenho em fazer crescer a cinematografia portuguesa acabou por ser fortemente marcada, sobretudo a partir de 1935, pelo então criado Secretariado da Propaganda Nacional/SPN, do qual o cinema português passou a depender. Ou seja, através deste organismo, apenas as co-produções que promoviam ideológica e políticamente o regime passaram a obter protecçãooficial, a qual se desenvolveu dentro do espírito corporativo que também esteve subjacente à criação, em 1947, da União de Grémios dos Espectáculos. Surgiram, assim, no panorama cinematográfico nacional das duas primeiras décadas referidas, produções que exaltavam personagens históricas (“Camões”), fazendo apologia do patriotismo e alimentando mitos que comoviam o público, e adaptações para cinema deobras literárias (“Amor de Perdição”) que eram contadas através de uma forma linear e romântica, com personagens desprovidas de “densidade humana, social e psicológica”1, onde não existia, sequer, a preocupação em retratar a época e a sociedade em que as mesmas se inseriam. Este período é também marcado pelo sucesso comercial da comédia satírica, o qual se deveu ao talento e à experiência deautores, como Cottinelli Telmo, António Lopes Ribeiro, e de actores teatrais e de revista (Vasco Santana, Beatriz Costa, António Silva, Maria Matos, entre outros), que viram a sua popularidade expandir-se dentro de um estilo de estrelato à americana. Por isso, o período compreendido entre 1933 (assinalado com a exibição do filme A Canção de Lisboa ) e 1948, foi considerado a “década de ouro do cinemaportuguês” pois correspondeu, de facto, a um período de grandes sucessos cinematográficos nacionais e à descoberta do cinema pelo povo português. Contudo, ficou também marcado pela actuação de um sistema político que assumiu o cinema como um agente de inculcação da sua ideologia, cujos valores acabaram por ter uma influência decisiva na nossa cultura e identidade. Por outro lado, como refere CostaAlves “as inquietações e ideias renovadoras que atingiam as artes plásticas e as Letras”2, sobretudo nos anos 30, não tiveram reflexo no cinema português, contribuindo assim para que as produções realizadas nesta época se revelassem desligadas de um “projecto definido”3. O cinema português apresentava-se, portanto, aparentemente desligado das questões sociais e políticas. Contudo, aocaracterizar-se como um cinema de entretenimento revelava-se também conformado com o poder vigente pois, tal como afirma o mesmo autor, era através do cinema que o regime espelhava “a imagem e os modos que se pretendia fazer
1
2 3

COSTA, Alves, Breve História do Cinema Português – 1896-1962, http://cvc.instituto-camoes.pt/conhecer/biblioteca-digital-camoes/doc. Ibidem, pp 76. Ibidem, pp. 74

crer” comocorrespondendo aos de “bom povo”4 . Por isso, o cinema deste período, acabou por se manter afastado da realidade social portuguesa, não se reflectindo nele qualquer clima de conflito, perturbação ou ansiedade, que fosse sentido pela sociedade portuguesa. A promulgação da Lei nº 2027, em Fevereiro de 1948, de protecção do cinema, constitui também um marco decisivo para a indústria cinematográficaportuguesa. Através da referida Lei é também criado o Fundo do cinema nacional cuja finalidade, segundo António Ferro5, era a de “reabilitar o cinema português e elevar o nível do gosto do público”. Contudo, como refere Alves Costa, no discurso em que António Ferro efectua uma análise dos propósitos da referida Lei, este acaba por deixar implícito que os critérios para a atribuição de subsídios...
tracking img