Origin e plano inclinado

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 10 (2354 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 9 de dezembro de 2012
Ler documento completo
Amostra do texto
PROGRAMA ORIGIN E ACELERAÇÃO DA GRAVIDADE - PLANO INCLINADO






























1. INTRODUÇÃO

Este relatório apresenta dados e conclusões baseados na experiência executada em laboratório. Nesse experimento, aprendemos a usar o programa Origin 6.1, programa que fornece muitos recursos como: tabelas, gráficos e operações matemáticas considerando até asmargens de erro. Vem também a facilitar a criação e formatação de relatórios, não sendo essa a única vez que ele será utilizado, pois usando seus recursos elimina-se o erro humano nos cálculos e trás tabelas e gráficos mais precisos e bem feitos para melhor entendimento do leitor do relatório.
Esse programa é muito utilizado na experiência que será feita para simplificar os cálculos e oferecer ográfico correto, com as incertezas nele representadas.

2. OBJETIVO:

Aprender a manusear o programa Origin 6.1.
Determinar a aceleração g da gravidade, com sua respectiva incerteza, por meio do estudo do movimento de um corpo em um plano inclinado sem atrito e utilizando a equação de Torricelli.

3. MATERIAIS UTILIZADOS:

Conjunto de queda de corpos da CIDEPE, contendo:

Qtd. Material01 Computador com aplicativo CIDEPE.
06 Fios para ligações elétricas.
01 Trilho de ar montado sobre base com sapatas niveladoras.
01 Unidade geradora de ar, com mangueira.
02 Sensores fotoelétricos.
01 Carro com antena.
01 Calço de madeira

Tabela 1 - Relação de materiais.

ATENÇÃO: VERIFIQUE SE OS ORIFÍCIOS DO TRILHO ESTÃO DESOBSTRUÍDOS, CASO CONTRÁRIO UTILIZE UM ALFINETE PARALIMPÁ-LOS.













4. PROCEDIMENTO EXPERIMENTAL:

4.1. Parte 1

4.1.1. Digite a tabela abaixo nas colunas A, B e C (para inserir novas colunas, COLUMN, ADD NEW COLUMNS, insira o número de colunas e OK):

I(A) V(V) v(V)
0,05 7,10 2,60
0,10 9,60 1,80
0,15 16,90 1,50
0,20 21,00 1,50
0,25 25,40 1,20
0,30 28,10 1,20
0,35 35,70 1,20
0,40 39,00 1,20

Tabela 2 – Tabela comcorrente (A), tensão (V) e incerteza da tensão (V).

4.1.2. Fazendo o gráfico com os dados da tabela: PLOT, SCATER, e escolha cada coluna no eixo correspondente. Neste caso A(X) -> X; B(Y) -> Y e a incerteza em Y em yEr, ou seja C(Y) -> yEr, então OK.
4.1.3. Dê dois cliques nos eixos do gráfico para editá-los, digite suas unidades e clique OK.
4.1.4. Fazendo o ajuste de uma função linear aospontos: TOOLS, LINEAR FIT, marque a opção THROUGH ZERO (para a função passar pelo zero), marque a opção ERROR AS WEIGHT (para levar em conta o ajuste com os erros), então FIT.
4.1.5. Identifique a função que ele ajustou (Y = BX) e o valor correspondente da constante B, com sua incerteza. O que ela representa?

4.2. Parte 2
4.2.1. Montagem:

4.2.1.1. Digite a tabela abaixo nas colunas A, B e C(para inserir novas colunas, COLUMN, ADD NEW COLUMNS, insira o número de colunas e OK):


I(A) 0,05 0,10 0,15 0,20 0,25 0,30 0,35 0,40
V(V) 7,10 9,60 16,90 21,00 25,40 28,10 35,70 39,00
v(V) 2,60 1,80 1,50 1,50 1,20 1,20 1,20 1,20

Tabela 3 - Medidas de tensão e corrente elétrica em um resistor, com incertezas na tensão.

4.2.1.2. Fazendo o gráfico com os dados da tabela: PLOT, SCATER, eescolha cada coluna no eixo correspondente. Neste caso A(X) -> X; B(Y) -> Y e a incerteza em Y em yEr, ou seja C(Y) -> yEr, então OK.

4.2.1.3. Editando os eixos: Dê dois cliques nos eixos do gráfico para editá-los, digite suas unidades e clique OK.

4.2.1.4. Fazendo o ajuste de uma função linear aos pontos: TOOLS, LINEAR FIT, marque a opção THROUGH ZERO (para a função passar pelo zero),marque a opção ERROR AS WEIGHT (para levar em conta o ajuste com os erros), então FIT. - Identifique a função que ele ajustou (Y = BX) e o valor correspondente da constante B, com sua incerteza. O que ela representa?

4.2.1.5. Nivele horizontalmente a base do trilho de ar.

4.2.1.6. Certifique-se de que todos os cabos estão conectados e que a interface está ligada (LED aceso).

4.2.1.7....
tracking img