Orgulho e preconceito - jane austen

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 489 (122165 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 11 de setembro de 2012
Ler documento completo
Amostra do texto
Jane Austen Orgulho e Preconceito

Título original: Pride and Prejudice Tradução de Maria Francisca Ferreira de Lima Tradução portuguesa c de P. E. A. Capa: estúdios P. E. A. Editor: Francisco Lyon de Castro Publicações Europa-América, Lda. Apartado 8 272ó Mem Martins Codex Portugal Edição n.o: 151034/ó472 Execução técnica: Gráfica Europam, Lda., Mira-Sintra - Mem Martins Depósito legal:9727ó/9ó ISBN 972-1-04084-3

Orgulho e Preconceito Orgulho e Preconceito é, sem dúvida, uma das obras em que melhor se pode descobrir a personalidade literária de Jane Austen. Com o fino poder de observação que lhe era peculiar, a autora dá-nos um retrato impressionante do que era o mundo da pequena burguesia inglesa do seu tempo: um mundo dominado pela mesquinhez do interesse, pelo orgulho epreconceitos de classe. Esses orgulho e preconceito que, no romance, acabam por ceder o passo a outras razões com bem mais fundas raízes no coração humano.

Capítulo I

É uma verdade universalmente reconhecida que um homem solteiro na posse de uma bela fortuna necessita de uma esposa. Por muito pouco que se conheçam os sentimentos ou modo de pensar de tal homem ao entrar pela primeira vez numavizinhança, esta verdade encontra-se de tal modo enraizada nos espíritos das famílias circundantes que ele é considerado

como propriedade legítima desta ou daquela de suas filhas. - Meu caro Sr. Bennet - disse-lhe sua mulher um dia -, sabe que Netherfield Park foi finalmente alugado? O Sr. Bennet respondeu-lhe que não sabia. - é como lhe digo - tornou ela -; pois a Sr.a Long ainda há pouco aquiesteve e contou-me tudo. O Sr. Bennet não deu qualquer resposta. - Não lhe interessa saber quem o alugou? - exclamou a mulher, impaciente. - A senhora pretende participar-mo, e eu não me oponho a ouvi-la. Como convite, era mais que suficiente. - Pois saiba, meu caro, que, pelo que a Sr.a Long me disse, Netherfield foi alugado por um jovem de grande fortuna do Norte de Inglaterra. Chegou nasegunda-feira, numa carruagem puxada por quatro cavalos, para visitar o local, e ficou tão encantado que desde logo aceitou as condições do Sr. Morris. Vem ocupar a casa ainda antes do dia de S. Miguel e alguns dos seus criados deverão chegar já no fim da próxima semana. - Como se chama ele?

- Bingley. - é casado ou solteiro? - Oh! Solteiro, naturalmente, meu caro! Um homem solteiro e de grande fortuna,com rendimentos no valor de quatro ou cinco mil libras anuais. Que maravilhoso acontecimento para as nossas filhas! - Como assim? Que têm elas a ver com isso? - Meu caro Sr. Bennet - retorquiu sua mulher -, que maçador que o senhor é! Sabe perfeitamente que encaro a possibilidade de ele vir a casar com uma delas. - é essa a intenção dele ao vir instalar-se para aqui? - Intenção! Que disparate éesse que está a dizer! Porém, é muito natural que ele se apaixone por uma delas, e exactamente por isso o senhor deve ir visitá-lo logo que ele chegue. - Não vejo razão para isso. Podem perfeitamente ir a senhora e as pequenas, ou envia-las a elas sozinhas, o que talvez fosse preferível, pois, uma vez que a senhora é tão bonita como qualquer delas, o Sr. Bingley poderia escolhe-la a si como a flor dogrupo. - Meu caro, o senhor lisonjeia-me. Fui, de facto, bonita nos meus tempos, mas não pretendo ser hoje em dia nada de extra ordinário. Quando uma mulher se vê mãe de cinco

filhas crescidas, ela tem, necessariamente, de deixar de pensar na sua própria beleza. - Em tais casos, é raro uma mulher ter alguma beleza em que pensar. - Não obstante, meu caro, o senhor tem de ir visitar o Sr.Bingley mal este chegue ao bairro. - é coisa que não lhe garanto, desde já a previno. - Considere ao menos a sorte de suas filhas. Pense só que bela colocação não seria para uma delas. Sir William e Lady Lucas estão resolvidos a ir dar-lhes as boas-vindas, e unicamente por esta razão, pois, como sabe, não é seu costume visitarem quaisquer recém-chegados. O senhor não pode deixar de ir, pois...
tracking img