Ondas de globalização

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 6 (1389 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 22 de maio de 2012
Ler documento completo
Amostra do texto
Universidade Veiga de Almeida
Organização e Gestão Escolar

Profª. Erotides
Aluno: Alexandre Vasconcellos de Andrade

Globalização: um processo contemporâneo?
A globalização, atualmente, é um processo de integração de mercados na sua mais variada amplitude: econômica, financeira (transações), tecnológica, política e científica. Por isso, não podemos deixar de perceber uma tentativa dederrubar as barreiras nacionais, políticas e culturais, objetivando uma uniformização e aculturação. Notamos ainda que a nova “aldeia global”, em que a difusão e o acesso em tempo real a informações que há não muitos anos atrás teríamos somente no dia seguinte é uma forma dessa integralização mundial. Essas mesmas vias de comunicação (internet e telecomunicações) é que possibilitam maior integração demercados, transações financeiras e comerciais. Esse processo de mundialização da economia teve seu início no final da década de 80 com a dissolução da Nação Russa, que tinha uma política estatal socialista, abrindo caminho à hegemonia da visão capitalista praticada pelos Estados Unidos, que se tornou a maior nação economicamente influente e por ocasião desse evento, o fim da guerra fria em 1989,ocorreu uma reunião organizada pelo FMI (Fundo Monetário Internacional), o Banco Mundial e Pelo Departamento de Tesouro Americano; os quais com base no discurso do economista inglês e diretor do “International Institute of Economy”, John Williamson, que cunhou o termo Consenso de Washington, estabeleceram políticas de desestatização pelos países que se encontravam em dificuldades financeiras e dedesenvolvimento econômico, ocasionando desemprego em taxas elevadas, além da dispensa de servidores públicos. A política Liberal Norte-americana tem origem na disputa de classes na Idade Média, quando intelectuais ingleses liderados por John Locke (1632-1704) obtiveram sucesso por ocasião da deposição dos Stuarts na Revolução Gloriosa, em 1688. O ápice desta nova política se deu na França, em1789, quando os Bourbons foram destituídos do poder Absolutista e, instalada a Monarquia Constitucional na Revolução Francesa.

Entretanto, o processo de globalização retrocede muito no tempo, remontando ao extinto Império Romano (476) que com suas políticas de domínio político, comercial e militar constituíram a 1ª onda de internacionalização, conforme se depreende do argumento de autoridade deElian Alabi Lucci:

Para certo número de estudiosos, a primeira onda globalizante se deu por ocasião da ascensão do Império Romano. Enquanto os gregos se dedicavam à filosofia em suas cidades-estados e ilhas, os romanos articulavam seu sistema legal, difundiam o uso da moeda e protegiam o comércio contra as investidas dos piratas. Com a queda do Império Romano, acabou ocorrendo uma feudalizaçãopolítica e comercial, pondo fim ao primeiro movimento de globalização. Ainda segundo o referido autor, percebemos que tal processo continuou no tempo e na conquista de novas terras e espaços, em função das grandes descobertas, que dinamizaram o mundo comercial das nações européias ao vasculharem o mundo e dividindo entre si os continentes Asiático, Americano e Africano1:

A segunda globalização sedeu nos séculos XIV e XV, com o ingresso do mundo ocidental na era dos grandes descobrimentos marítimos. Mas o grande surto do comércio internacional, com a abertura comercial para o Oriente, foi freqüentemente interrompido por guerras religiosas e dinásticas das monarquias européias. Foi nesse período que, pela primeira vez, se falou verdadeiramente em globalização da economia. SegundoSchumpeter (History of Economic Analysis, 1954, p. 85), isso coube ao Arcebispo de Florença, S. Antonino (1439), que na sua Suma Teológica, em que tratava de ética e economia, propôs uma economia moderna concebida globalmente e cujo objetivo mais importante era, sem dúvida, promover a justiça social. No tocante à propriedade, Antonino diz que o destino universal dos bens é um direito natural e, portanto,...
tracking img