Oliveira

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 8 (1993 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 24 de janeiro de 2013
Ler documento completo
Amostra do texto
| 2012/13 |
| Adriano Fernandes nº 26271 Engª Agronómica U.C. Sanidade Vegetal
|

[Doenças e Pragas na oliveira] |
Docente: Engª Eugénia Gouveia |

1 – Botânica e Morfologia da Oliveira (Olea Europaea Lineu)
A oliveira pertence à seguinte classificação cientifica: Reino Plantae, Divisão Magnoliphyta,Classe Magnoliopsida, Ordem Lamiales e Familia oleaceae, que inclui até 30 gêneros, entre eles, Fraxinus, Ligustrum, Olea e Syringa. As oliveiras são classificadas no gênero Olea, sendo a espécie Olea europaea Lineu dividida nas subespécies Olea europaea euromediterranea, Olea europaea laperini e Olea europaea cuspidata. A primeira é composta por duas séries: a Olea europaea euromediterranea sativa,que é a oliveira cultivada na América, e a Olea europaea euromediterranea oleaster, mais comum na região do mediterrâneo (OLIVEIRA, 2001).
Rapoport (1998), descreve a oliveira cultivada como uma árvore de tamanho médio e grande longevidade, com formato arredondado, cujo porte, densidade de copa e cor da madeira variam conforme a cultivar e as condições de cultivo, representada pela Figura 1. Aplanta, segundo este autor, apresenta duas fases bem distintas: a juvenil, que não tem capacidade de produção de frutos, cujas folhas são mais curtas e grossas, os ramos têm uma distância entre nós mais curta além do elevado potencial para enraizamentos por estacaria; e a adulta, periodo em que alcança a sua capacidade produtiva, com folhas maiores e distâncias maiores entre nós.

Ilustração 1-Planta da oliveira

O sistema radicular depende do material de origem da árvore e das características do solo onde é cultivda. Se for originada a partir de sementes, a raiz será do tipo fascilculada (LOUSSERT; BROUSSE, 1980). Rapoport (1998) destaca que a maioria das raízes adventícias comporta-se como raízes principais durante o desenvolvimento e crescimento da oliveira.
Quanto ao sistemafoliar, são simples e de formação eliptíca, elípticolanceolada ou lanceolada, com comprimento de 5 a 7 cm e largura variando de 1 a 1,5 cm. A presenta cor verde-escura e brilhante na face superior em virtude da ausência de estômatos e presença de cutícula e, na face nferior, cor esbranquiçada, devido à presença de placas foliares que conferem maior resistência às condições de falta de chuva(RAPOPORT, 1998).
Oliveira e Abrahão (2006), descrevem as iflorescências da oliveira da seguinte maneira, as quais podem ser representadas pelas Figuras 2 e 3.
As inflorescências têm forma paniculada, com ramificações desde o eixo central, que pode também estar ramificado. Essas ramificações situam-se nas axilas foliares de crescimento vegetativo do ano anterior. A flor é constituída por quatro p´talasbrancas, também soldadas pela base, que formam a corola. Trata-se de uma flor com simetria regular. Apresenta dois estames que se inserem pela base da corola com disposição oposta. Estes são constituídos por filamentos e anteras de cor amarela, dividida em dois lóbulos onde estão localizados os grãos de pólen. No cenro da flor, encontra-se o pistilo, composto de um ovário cúporo, estilete curto egrosso e estigma biloculado e papiloso, que pode variar em sua forma dependendo da variedade. A maturação dos orgãos sexuais ocorre 20 dia antes da floração, com o desenvolvimento do saco embrionário e a maturaçaõ dos gâmetas.

Ilustração 2 - Flor da oliveira


Ilustração 3 - Inflorescência em ramos de oliveira: 1 ramos florido; 2 flor; 3fruto; 4 fruto do tipo cultivado; 5 fruto do tipo cultivado, corte longitudinal.
Quanto o crescimento vegetativo da oliveira, Rallo (1998) acrescenta que é no momento da brotação que se inicia tanto o desenvolvimento de novos brotos como o de inflorescências e que. A partir disso, sucedem-se uma série de processos que irão determinar o crescimento vegetativo total da árvore e sua produção....
tracking img