Novos arranjos familiares

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 12 (2827 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 13 de outubro de 2011
Ler documento completo
Amostra do texto
[pic]

SUMÁRIo

1. INTRODUÇÃO 03

2 DESENVOLVIMENTO 04
2.1 A familia na sociedade contemporânea 04
2.2 A visão da politica nacional de assistência social sobre a familia. 06
2.3 A partir dos dados levantados em seu municipio sobre familia monoparental destaque algum aspecto que mais lhe chamou a atenção..........08

5. CONCLUSÃO 09

REFERÊNCIA 10
1.INTRODUÇÃO

No decorrer da história assistimos à várias mudanças no âmbito familiar, tanto em seu interior quanto na sua relação com a sociedade. Philippe Àries, por exemplo, em sua obra “História Social da Criança e da Família” (1981), refaz, através de um estudo minucioso, a trajetória da Família Medieval à Família Moderna.

Descreve mudanças significativas a partir do séculoXVI, onde assiste-se a um processo de nuclearização da família, acompanhado da individualização de seus membros que reivindicam uma progressiva privacidade o que alterará significativamente os espaços de morar, havendo a diluição das famílias conjugais (ARIES, 1881).

O processo de industrialização teve sua importância nesse processo, pois associado à concentração de população nos pólosurbanos e as profundas transformações no processo de trabalho, do local onde se trabalha, e consequentemente na composição do grupo familiar e das relações entre seus membros, levaram a uma mudança nas relações sociais, onde a família exerce o seu papel de mediação entre indivíduos e comunidade, de encontro entre gerações (AZEVEDO, 2006).

Nesses novos arranjos encontra-se a famíliamonoparental e maior parte constituida por mães e filhos, mulheres que exercem chefia na família, e que tem por responsabilidades o sustento econômico, mesmo quando a principal renda vem da transferência de benefícios efetuados através de Programas de Renda Mínima, que adotam como critério a mulher como beneficiária em função do melhor uso de recurso em gastos com a manutenção da família, principalmentedas crianças.

A instabilidade conjugal e a mudança na estrutura familiar tem provocado dificuldades nos setores mais pobres da população, na maioria das vezes é onde a mulher passa a acumular sozinha funções de provedora e de responsável exclusiva pela esfera da reprodução.Isso ocorre principalmente entre as famílias mais pobres e está relacionada fundamentalmente a menor capacidade deganho das mulheres.

Pretendemos destacar os “novos modelos” dentro de um contexto sócio- cultural, a família na sociedade contemporânea, bem como a visão da politica nacional de assistência social sobre a família.

2. DESENVOLVIMENTO

2.1 A FAMILIA NA SOCIEDADE CONTEMPORÂNEA

Analisando historicamente a família, podemos eleger alguns pressupostos norteadores. Um pressupostos basicoquando pensamos em família é a sua inserção no processo cotidiano da vida social. Sendo essa também responsavel pelo cuidado, proteção de seus membros, bem como da socialiazação , sendo vital no processo da organização da sociedade, ligada a construção dos primeiros grupos de referencia e de transmissão da linguagem e ideologia.(REIS, 1989).
Ao realizarmos uma contextualização históricada instituição família, a partir da idade média podemos compreender a resignificação/reestruturação da família na contemporaneidade.
Durante a transição do Feudalismo para o Capitalismo, ocorreu uma reorganização nos sistemas de produção que, de doméstico, passou a ser fabril. Desta forma, a sociedade sofreu um grande impacto. A força produtiva foi submetida ao regime das fábricas e dasmáquinas surgindo assim, a classe operária na Europa. O modelo familiar se transformou com a entrada massiva da mulher no mercado de trabalho tendo, como consequência, uma substancial alteração na estrutura familiar e social (AZEVEDO, 2006).
O enorme impacto causado pela revolução industrial fez com que toda a classe operaria se submetesse ao regime de fabrica e das maquinas, sujeitando-se a...
tracking img