Novas praticas de leitura e escrita

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 29 (7120 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 30 de março de 2011
Ler documento completo
Amostra do texto
NOVAS PRÁTICAS DE LEITURA E ESCRITA: LETRAMENTO NA CIBERCULTURA
MAGDA SOARES*
RESUMO: No contexto de uma diferenciação entre a cultura do papel e a cultura da tela, ou cibercultura, o artigo busca uma melhor compreensão do conceito de letramento, confrontando tecnologias tipográficas e tecnologias digitais de leitura e de escrita, a partir de diferenças relativas ao espaço da escrita e aosmecanismos de produção, reprodução e difusão da escrita; argumenta que cada uma dessas tecnologias tem determinados efeitos sociais, cognitivos e discursivos, resultando em modalidades diferentes de letramento, o que sugere que a palavra seja pluralizada: há letramentos, não letramento. Palavras-chave: Letramento. Cultura do papel. Cibercultura. Práticas de leitura. Práticas de escrita. NEW READINGAND WRITING PRACTICES:
LITERACY IN THE CYBERCULTURE

ABSTRACT: In the context of two different cultures – print culture and electronic culture, or cyberculture –, this article seeks a clearer comprehension of literacy opposing typographic and digital technologies of reading and writing. Through the differences regarding the writing space and the mechanisms of producing, reproducing and diffusingideas, it argues that different kinds of literacy – that is, different social, cognitive and discursive effects – have resulted from such different modalities of written communication. Since literacy is not a single, homogeneous phenomenon, it finally suggests this word should be used in its plural rather than singular form: literacies. Key words: Literacy. Print culture. Cyberculture. Readingpractices. Writing practices.

*

Professora Titular Emérita da Faculdade de Educação da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG). E-mail: mbecker.soares@terra.com.br

Educ. Soc., Campinas, vol. 23, n. 81, p. 143-160, dez. 2002
Disponível em

143

m um movimento de certa forma contrário ao mais freqüente, que é o de ampliar a compreensão do presente interrogando o passado que o gerou,tenta-se, neste texto, essa mesma compreensão do presente interrogando o futuro que nele está sendo gerado. Em outras palavras: o que aqui se pretende é perseguir uma mais ampla compreensão de letramento, buscando um novo sentido que essa palavra e fenômeno, recém-introduzidos no contexto de uma cultura do papel, e nela ainda não plenamente compreendidos, já vêm adquirindo, como conseqüência dosurgimento, ao lado da cultura do papel, de uma cibercultura. 1

Conceitos de letramento
O plural, nesse subtítulo – conceitos –, explica-se pela imprecisão que, na literatura educacional brasileira, ainda marca a definição de letramento, imprecisão compreensível se se considera que o termo foi recentemente introduzido nas áreas das letras e da educação.2 Entretanto, não há, propriamente, umadiversidade de conceitos, mas diversidade de ênfases na caracterização do fenômeno. Há autores que consideram que letramento são as práticas de leitura e escrita: segundo Kleiman (1995, p. 19): “Podemos definir hoje o letramento como um conjunto de práticas sociais que usam a escrita, enquanto sistema simbólico e enquanto tecnologia, em contextos específicos, para objetivos específicos”. Em textoposterior, a autora declara entender letramento “como as práticas e eventos relacionados com uso, função e impacto social da escrita” (idem, 1998, p. 181). Nessa concepção, letramento são as práticas sociais de leitura e escrita e os eventos em que essas práticas são postas em ação, bem como as conseqüências delas sobre a sociedade. Já Tfouni (1988, p. 16), em obra que foi uma das primeiras a não sóutilizar, mas também a definir o termo letramento, conceitua-o em confronto com alfabetização, conceito que reafirma em obra posterior: “Enquanto a alfabetização ocupa-se da aquisição da escrita por um indivíduo, ou grupo de indivíduos, o letramento focaliza os aspectos sócio-históricos da aquisição de um sistema escrito por uma sociedade” (idem, 1995, p. 20). A autora reafirma essa diferença...
tracking img