Nike

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 11 (2530 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 24 de outubro de 2012
Ler documento completo
Amostra do texto
CENTRO UNIVERSITÁRIO CENTRAL PAULISTA

ADMINISTRAÇÃO DA PRODUÇÃO E OPERAÇÕES II

Ana Claudia da Silva Trevisan - R.A.:
Barbara C. B. Da Costa - R.A.:
Débora Rodrigues Monteiro - R.A.:
Fernando Alves Aracati Júnior – R.A.:
Nathalia Camargos Diniz – R.A.:3102016
Rebeca Cristina dos Santos – R.A.:
Roberta de Souza Brito – R.A.:

Linha de produção de Sacolinhas de Surpresa

Figura -Fotoda linha de produção no Sistema Justin In Case

A produção de sacolinhas de surpresa tem como itens de sua composição os seguintes materiais:
Sacolinha, Pirulito, chiclete, anel, chocolate Bis, balas, jujuba e o lacre.

As seguintes fotos representam os materiais utilizados:

Figura -Sacolinha

Figura - Chicletes, pirulito e anel.

Figura -Pacotinhos de jujuba, balas e chocolate Bis.Figura -Lacres

As quantidades dos materiais são: 1 pirulito, 2 chicletes, 1 anel, 2 chocolate bis, 4 balas 1 pacote de jujuba, 1 lacre e 1 sacolinha.
Como a empresa trabalha com lote de 2 a quantidade de material passa a ser: 2 pirulitos, 4 chicletes, 2 anéis, 4 chocolate bis, 8 balas 2 pacote de jujuba, 2 lacres e 2 sacolinhas.

A empresa está com vários problemas para atender seuspedidos, cumprir os prazos de entrega, está tendo desperdício com vários produtos em estoque, além disso, perdendo sua clientela.

O gerente resolve contratar uma consultoria, para analisar as possíveis falhas que está acontecendo na empresa.

A consultora analisa todo o processo produtivo e revela que o sistema adotado pela empresa é o Justin in Case.

A consultoria ainda explica como funcionatodo o processo JUST IN CASE - JIC A gestão de um negócio pela ótica do JIC conduz a que se produza segundo a máxima capacidade de produção dos recursos, antecipando a demanda futura sob a forma de estoques. Não se desenvolvem esforços nem para balancear as capacidades nem para eliminar as variabilidades, pois o interesse é operar o tempo todo na máxima capacidade. O ritmo de produção é ditadopela capacidade excessiva do primeiro processo, que "empurra" a produção em direção aos processos sucessivos, resultando inventário consideravelmente mais alto do que o necessário.

Para exemplificar melhor a situação da empresa, a consultora apresenta ao gerente uma planilha com as informações do processo produtivo:

Primeiramente ela descreve todas as atividades realizadas por cada operação:QUANTIDADE DE OPERAÇÕES LINHA DE PRODUÇÃO NO SISTEMA JUSTIN IN CASE
Operação | Atividade da Operação |
1 | Colocar em uma sacolinha 1 pirulito, 2 chicletes e 1 anel |
2 | Acrescentar na sacolinha 2 chocolate Bis, 4 balas e 1 pacotinho de jujuba |
3 | Lacrar a embalagem com uma fita, amarrando a sacolinha |
Controle de Qualidade | Verificar se todos os itens estão na sacolinha |FOTO DAS OPERAÇÕES:

Foram analisados também os tempos de cada operação e o tempo total de produção para uma demanda de 11 sacolinhas.
TEMPO DE CADA OPERAÇÃO NO SISTEMA JUSTIN IN CASE
OPERAÇÃO | TEMPO DE CADA OPERAÇÃO (em segundos) |
1 | 6’ |
2 | 10’ |
3 | 6’ |
Controle de Qualidade | 7’ |

Ao cronometrar o tempo total para atender uma demanda de 11 sacolinhas surpresas, verificou-seque são necessários 3,46 min.

Outros fatores observados na análise influenciaram para constatar que o Sistema Justin in Case não é eficaz.

Houve um gargalo na 2ª operação, em seu 3º ciclo de produção.
Para entender melhor o que aconteceu a consultora explica que os "gargalos" são todos os pontos dentro de um sistema industrial que limitam a capacidade final de produção. E por capacidadefinal de produção devemos entender a quantidade de produtos disponibilizados ao consumidor final em um determinado intervalo de tempo.

Observou-se que a 1ª operação possuía um grau de dificuldade menor em suas atividades, comparando-a com a 2ª operação.

A empresa não estava cumprindo seu prazo de entrega das sacolinhas, então o gerente pediu agilidade na linha de produção. Isto também foi...
tracking img