Nestle

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 45 (11192 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 9 de abril de 2013
Ler documento completo
Amostra do texto
REVISTA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA V. 16, Nº 31: 85-100 NOV. 2008

OS ALIMENTOS FUNCIONAIS: A NOVA FRONTEIRA DA INDÚSTRIA ALIMENTAR
ANÁLISE DAS ESTRATÉGIAS DA DANONE E DA NESTLÉ 1 NO MERCADO BRASILEIRO DE IOGURTES
Cécile Raud
RESUMO
Os alimentos funcionais, que prometem ajudar na cura ou na prevenção de doenças, são a nova tendência do poderoso mercado alimentício neste início do século XXI.Iogurtes, margarinas, leites fermentados, cereais, águas minerais etc. prometem ajudar na cura ou na prevenção de doenças como as cardiovasculares, certos tipos de câncer, alergias, problemas intestinais etc. Entre os fatores-chave que explicam o êxito dos alimentos funcionais, há a preocupação crescente pela saúde e pelo bem-estar, mudanças na regulamentação dos alimentos e a crescentecomprovação científica das relações existentes entre dieta e saúde. Escolhemos analisar e comparar as estratégias de duas multinacionais (Danone e Nestlé) que se enfrentam nas gôndolas dos supermercados brasileiros para dominar o mercado dos iogurtes funcionais. O Activia, da Danone, foi lançado com êxito em diversos países europeus, em meados da década de 1990, e no mercado brasileiro, em 2004, levando a umaconsiderável revitalização do mercado dos produtos lácteos. Em reação, a Nestlé lançou o Nesvita, em junho de 2006. Com base na Nova Sociologia Econômica, verificamos a existência de lutas no mercado, em que a inovação e o lançamento de novos produtos são necessidades para as empresas que pretendem manter ou estabelecer sua liderança. Nesse campo de lutas, o Estado desempenha um papelfundamental, ao definir as regras do jogo entre os parceiros da troca e entre os concorrentes. PALAVRAS-CHAVE: alimentos funcionais; inovação; mercado; Estado; Danone; Nestlé.

I. INTRODUÇÃO Nos últimos anos, os consumidores viram aparecer nas gôndolas dos supermercados novos produtos alimentares, que prometem contribuir na busca por uma vida mais saudável. Os alimentos funcionais2 são a nova tendência dopoderoso mercado alimentício neste início do século XXI (HEASMAN & MELLENTIN, 2001). Iogurtes, margarinas, leites fermentados, cereais, águas minerais etc. prometem ajudar na cura ou na prevenção de doenças como as cardiovasculares, certos tipos de câncer, alergias, problemas intestinais etc. Entre os fatores-chave que explicam o
1 Este texto é resultado parcial de uma pesquisa financi-

êxitodos alimentos funcionais, Hasler (2000) cita a preocupação crescente pela saúde e pelo bemestar, mudanças na regulamentação dos alimentos e a crescente comprovação científica das relações existentes entre dieta e saúde. Escolhemos concentrar nossa pesquisa na área dos produtos lácteos, em particular iogurtes, e em duas empresas, Nestlé e Danone. De fato, esse setor parece-nos revelador dastendências que estão levando à globalização da alimentação e da saúde. Os produtos escolhidos foram lançados com êxito em diversos países europeus, em meados da década de 1990, e estão agora no mercado brasileiro, levando a uma considerável revitalização do mercado dos produtos lácteos. Esta revolução nutricional está baseada nos “probióticos”3, termo utilizado pela primeira vez em 1965 para de3 Um outrotermo importante na área dos alimentos funci-

ada pelo Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (Auxílio a projetos e Bolsa PQ) e pela Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Convênio CAPES-Wageningen). Agradecemos ao CNPq e à CAPES pelo auxílio prestado.
2 Não entraremos aqui na polêmica a respeito da defini-

ção dos alimentos funcionais. Paratanto, ver Grisotti (2008).

onais é o de “prebiótico”. Os prebióticos, conceitualizados em 1995, são componentes alimentares não digeríveis pelo nosso corpo, que afetam beneficamente a saúde, por estimularem seletivamente a proliferação ou atividade de po-

Recebido em 15 de junho de 2008. Aprovado em 15 de setembro de 2008.

Rev. Sociol. Polít., Curitiba, v. 16, n. 31, p. 85-100, nov....
tracking img