Navigator

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 26 (6359 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 18 de abril de 2012
Ler documento completo
Amostra do texto
Artigos
NAVIGATOR no5/2007 (Art. 2)


Sentimentos republicanos em pensamentos navais: a participação de oficiais da Marinha na implantação da República brasileira1





Gláucia Soares de Moura

Primeiro-Tenente do Quadro Técnico da Marinha do Brasil. Bacharelado em Museologia pela UNIRIO. Bacharelado em Historia pela UERJ. Especialização em SupervisãoEscolar pela UFRJ. Especialização em História Militar pela UNIRIO






RESUMO

ESTE ESTUDO VISA A CONSTATAR A PARTICIPAÇÃO DA MARINHA BRASILEIRA NOS EPISÓDIOS QUE LEVARAM À PROCLAMAÇÃO DA REPÚBLICA E À SUA CONSOLIDAÇÃO DURANTE O PERÍODO CHAMADO DE “REPÚBLICA DA ESPADA” (1889 A 1894). A PARTIR DOS CONTEXTOS POLÍTICO, ECONÔMICO, SOCIAL E CULTURAL QUE ENVOLVERAM ESSE PERÍODO, SÃO ABORDADOSOS FATOS HISTÓRICOS QUE O CONSTITUÍRAM POR MEIO DOS PENSAMENTOS, SENTIMENTOS E DAS AÇÕES DE ALGUNS DOS OFICIAIS QUE INFLUÍRAM DIRETAMENTE NOS DESTINOS DA MARINHA REPUBLICANA.

Palavras-chave: História; Marinha; República



ABSTRACT

THIS ESSAY AIMS TO EVIDENCE THE PARTICIPATION OF THE BRAZILIAN NAVY IN THE EPISODES THAT PRECEDED THE PROCLAMATION OF THE REPUBLIC AND ITS CONSOLIDATIONDURING THE PERIOD KNOWN AS THE “REPUBLIC OF THE SWORDS” (1889-1894). FROM SOCIAL, CULTURAL, ECONOMICAL AND POLITICAL CONTEXT, THE HISTORICAL FACTS ARE APPROACHED THROUGH THE THINKING, THE SENTIMENTS AND THE ACTIONS OF SOME OF THE OFFICERS THAT DIRECTLY INFLUENCED THE DESTINATION OF THE REPUBLICAN NAVY.

Keywords: Schoolbook; History; Navy; Republic











INTRODUÇÃO

Construir umaabordagem da história militar, diferente da “história batalha”, é possível ao estudarmos a história militar dentro da história da nação, o que permite a análise dos sentimentos, pensamentos e ações dos cidadãos militares que compõem a sociedade.

Na Escola dos Annales encontramos o homem no centro do discurso histórico, como nos diz Lucien Fevre: “Não há história a não ser a do homem (...) ahistória, ciência humana, e então, os fatos, sim: mas são fatos humanos; tarefa do historiador”2 e Marc Bloch: “São os homens que a história pretende apreender. Quem não o conseguir será, quando muito e na melhor das hipóteses, um servente da erudição”3.

Na dinâmica da História, esses fatos humanos pertencem ao passado e cabe ao historiador lhe dar uma nova existência ideal para poder ir em direçãodo conhecimento histórico, pois enquanto o fato científico é sempre a resposta de uma questão científica, o fato histórico só pode ser determinado e entendido por uma consulta prévia em suas fontes – sejam elas orais, documentais ou as monumentais – para, por intermédio da mediação e da interpretação dos dados simbólicos, apreender os dados históricos reais: os homens e os acontecimentos dopassado.

São os personagens que fazem a História. Meio geográfico, tradições e hábitos culturais interagem por meio do homem. Cabe a ele movimentar a História por meio da sua própria história individual.

Um dos momentos significativos para a história do Brasil que nos possibilita abordar a história militar dentro da história da Nação é a implantação e a consolidação da República, durante osgovernos militares de Deodoro4 e Floriano5 (1889-1894), quando podemos fazer um resgate dos acontecimentos e ressaltar a participação dos militares da Marinha, como agentes transformadores da sociedade daquele período.

Com a consagração do tempo e a sanção da história, muitos nomes se destacam e se afirmam como guias e paradigmas na trajetória e na orientação do rumo dos que cruzam os caminhosmarítimos a serviço do Brasil no regime republicano.



NA VIRADA DO SÉCULO... TEMPO DE CERTEZAS E AMBIGÜIDADES

O fim do século XIX, a “era da ciência”, concretizou a utopia de que a aproximação de um novo século era o momento para sonhar. Para o Brasil foi um período de ambigüidades e transformações: a expansão dos mercados para exportação, o surgimento das estradas de ferro e a importação...
tracking img