Museu seringal vila paraiso

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 8 (1796 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 23 de abril de 2013
Ler documento completo
Amostra do texto
TITULO* Museu Seringal Vila Paraíso, uma viagem ao período Áureo da Borracha.
Márcia Cristina Sousa Pinto**












RESUMO
No dia 17 de outubro, tive o imenso prazer de conhecer o Museu Seringal Vila Paraíso. Este museu fica localizado no Igarapé São João, afluente do igarapé do Taruma Mirim, Zona rural. O mesmo retrata com grande precisão através de seusambientes de época, moveis e utensílios, como era extraída a goma que alavancou a economia na Amazônia. Vale ressaltar que a extração da borracha não significou somente dinheiro e poder, significou também, grandes imigrações, mão - de obra escrava, exploração, abuso de poder dos grandes coronéis. Dessa forma, o presente artigo retratara através da visita ao Museu Seringal Vila Paraíso, o períodoáureo da borracha. Como tudo começou. As figuras marcantes da época, a verdadeira forma de viver do homem do seringal.




PALAVRAS CHAVES: Seringalista, Seringueiro, Amazônia, Nordestino

O grande boom da borracha teve inicio na metade do século XIX, mais precisamente no ano de 1850. Com o inicio da exploração gomifera a economia da época deu um grande salto, trazendo com elaprosperidade e fortuna pra uns e esperança de um futuro melhor para outros. Estes pontos foram bem explorados na visita realizada ao museu Vila Paraíso.
O seringalista figura denominada como o proprietário do seringal, também chamado de coronel de Barranco, conhecido por sua brutalidade, comandava com rigores de violência os trabalhadores dos seringais. Para obter este controle oseringalista contava com uma estrutura formada por figuras como, o gerente que na ausência do patrão comandava o seringal, o guarda livros, encarregado da escrituração comercial do estabelecimento: registros, contas, talões de vendas e outros e o caixeiro, responsável pela pesagem das pelas de látex e pelo preço que deveria ser pago por elas. A residência do seringalista, demonstrava claramente a riquezaadquirida com a extração da borracha. Os moveis que compunham a arquitetura de sua casa, eram em sua grande maioria importados da Europa. Bebidas como cerveja e vinho eram trazidos da Alemanha. Suas roupas e de sua esposa eram enviadas a Europa para serem lavadas, pois a água do Rio Negro não era limpa suficiente para tal higiene. Suas senhoras possuíam uma casa de banho, onde refrescavam-se embanheiras importadas e com água mineral. O coronel possui alem da casa no seringal uma casa na cidade, no período áureo da borracha, sua fortuna era de imensas proporções.


[pic]
Casa do coronel


O barracão de aviamento era onde os seringueiros pesavam as pelas de borracha adquiridas com o trabalho de um dia inteiro, era o local onde eram comprados os alimentos quesupririam o trabalhador por alguns dias. Na verdade não se tratava de uma compra e sim de uma troca, pois ao apresentarem sua pela de borracha, o valor devido já era descontado e em seguida reaberto um novo credito. Neste eram encontrados alimentos como a farinha, o feijão, carne seca, peixe seco, açúcar, cachaça, e os objetos de trabalho como a poronga, o balde e o raspador utilizados na coleta dolátex.


[pic][pic][pic]
A balança para pesar as pelas, a poronga,o balde,o raspador,os alimentos

Quando os seringalistas perceberam que os índios não se adaptavam ao estilo de escravidão que lhes era imposto, procuraram uma nova mão de obra para suprir a extração do látex. Esta mão de obra foi adquirida no nordeste brasileiro, através de umhomem de confiança do coronel que fora incumbido de recrutar trabalhadores para os seringais. Os nordestinos, fugindo da seca, vieram para a Amazônia com esperança de melhorar de vida, adquirir riqueza e voltar para suas famílias. Isto por que quando eram convidados a vim para a Amazônia, eram enganados com falsas promessas de grandes riquezas e melhoria de vida. Ao chegarem aos seringais,...
tracking img