Movimentos sociais

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 15 (3624 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 26 de outubro de 2012
Ler documento completo
Amostra do texto
 
 
TEORIA DOS MOVIMIENTOS SOCIAIS
 
Maria da Glória Gohn
 
 
 
 
CAPITULO IV
             
O PARADIGMA DOS NOVOS MOVIMENTOS SOCIAIS
 
 
1 Características gerais
 
Partindo da inadequação do paradigma tradicional marxista, denominado por alguns clássico ou ortodoxo, para a análise dos movimentos sociais que passaram a ocorrer na Europa apartir dos anos 60 deste século, assimcomo fazendo a crítica aos esquemas utilitaristas e às teorias baseadas na lógica racional e estratégica dos atores (que analisavam os movimentos como negócios, cálculos estratégicos etc.), Touraine, Offe, Melucci, Laclau e Mouffe, entre outros, partiram para a criação de esquemas interpretativos que enfatizavam a cultura, a ideologia, as lutas sociais cotidianas, a solidariedade entre as pessoas deum grupo ou movimento social e o processo de identidade criado. As características gerais básicas dos NMS seriam:
 
Em primeiro lugar a construção de um modelo teórico baseado na cultura. Os teóricos dos NMS negaram a visão funcionalista da cultura como um conjunto fixo e predeterminado de normas e valores herdados do passado. Apesar de trabalharem com as bases marxistas do conceito, que vê acultura como ideologia, eles deixaram de lado a questão da ideologia como falsa representação do real. Sabemos que no paradigma marxista o conceito de ideologia está intimamente associado ao de consciência. Esta última,  por sua vez,  por ser formada por um processo de conflitos dados pelas estruturas de poder e desigualdades sociais, em que o econômico tem prevalência, irá influenciar u: conflitosdos movimentos. Como a categoria da consciência de classe não tem relevância no paradigma dos NMS, mas apenas a das ideologias, atuando no campo da cultura, concluímos que a categoria da cultura foi apropriada e transformada no decorrer de sua utilização pelo paradigma dos NMS. Ao longo dos anos, tal paradigma será influenciado ainda pela interpretação pósestruturalista e pósmodernista de cultura,centrando suas atenções nos discursos como expressões de práticas culturais.
 
Em segundo lugar, a negação do marxismo como campo teórico capaz de dar conta da explicação da ação dos indivíduos e, por conseguinte, da ação coletiva da sociedade contemporânea tal como efetivamente ocorre. Apesar da simpatia dos teóricos dos NMS pelo neomarxismo, que enfatiza a importância de consciência,ideologia, lutas sociais e solidariedade na ação coletiva, o marxismo foi descartado porque trata da ação coletiva apenas no nível das estruturas, da ação das classes, trabalhando num universo de questões que prioriza as determinações macro da sociedade. Por isso ele não daria conta de explicar as ações que advêm de outros campos, tais como o político e, fundamentalmente, o cultural; o que ocorre é umasubjugação desses campos ao domínio do econômico, matando o que existe de inovador: o retorno e a recriação do ator, a possibilidade de mudança a partir da ação do indivíduo, independente dos condicionamentos das estruturas. E importante destacar que a negação do marxismo referese a sua corrente clássica, tradicional, vista como ortodoxa. Mas algumas de suas categorias básicas, como a da ideologia,influenciaram a fundamentação de um conceito central dos NMS, o de cultura.
 
Em terceiro lugar, o novo paradigma elimina também o sujeito histórico redutor da humanidade, predeterminado, configurado pelas contradições do capitalismo e formado pela "consciência autêntica" de uma vanguarda partidária. Ao contrário, o novo sujeito que surge é um coletivo difuso, nãohierarquizado. em luta contra asdiscriminações de acesso aos bens da modernidade e, ao mesmo tempo, crítico de seus efeitos nocivos, a partir da fundamentação de suas ações em valores tradicionais. solidários, comunitários. Portanto, a nova abordagem elimina a centralidade de um sujeito específico, predeterminado, e vê os participantes das ações coletivas como atores sociais.
 
Em quarto lugar, a política ganha centralidade...
tracking img