mortalidade das empresaS

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 6 (1269 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 8 de maio de 2014
Ler documento completo
Amostra do texto

No ranking mundial de sobrevivência de micro e pequenas empresas, o Brasil é um dos primeiros colocados, superando países desenvolvidos afetados pela crise financeira, como Áustria (71%), Espanha (69%), Itália (68%), Portugal (51%) e Holanda (50%). A primeira colocação ficou com a Eslovênia (78%), seguida por Luxemburgo (76%).
A região com maior número de empresas que vencem a barreira dosdois anos de vida é a Sudeste, onde o índice de sobrevivência atinge 78%. A região é a única que ultrapassa a média nacional porque concentra o maior número de pequenos negócios do País. Em segundo lugar está o Sul do Brasil, com taxa de 75,3%, depois Centro-Oeste (74%), Nordeste (71,3%) e Norte (68,9%).
No Brasil, a importância socioeconômica das pequenas empresas também pode ser demonstradaatravés dos números. Segundo o SEBRAE, 2004 (Serviço de Apoio às Pequenas Empresas), as pequenas e médias empresas representam 99% do total de empresas do país, atuam nos setores industrial, comercial, e de serviços; ocupam 70% da oferta de emprego; e geram 20% do PIB (Produto Interno Bruto).
Como citado por Chiavenato (2008, p. 15), "nos novos negócios, a mortalidade prematura é elevadíssima, poisos riscos são inúmeros e os perigos não faltam." Diante disso ele aponta algumas das possíveis causas de mortalidade nas empresas, que são apresentadas na Tabela 1:.
Tabela 1: As causas mais comuns de falhas no negócio Inexperiência- 72 %; Incompetência do empreendedor; Falta de Experiência de campo; Falta de experiência profissional; Experiência desequilibrada; Fatores econômicos - 20 %; Lucrosinsuficientes; Juros elevados; Perda de mercado; Mercado consumidor restrito; Nenhuma viabilidade futura; Vendas Insuficientes - 11 %; Fraca competitividade; Recessão econômica; Vendas Insuficientes; Dificuldade de estoques; Despesas excessivas - 8 %; Dividas e cargas demasiadas; Despesas operacionais; Outras causas – 3 %; Negligencia; Capital insuficiente; Clientes insatisfeitos; Fraudes; Ativosinsuficientes. Fonte: Chiavenato (2008, p.15).
Estudo feito pelo SEBRAE (2004) identificou as causas que levaram ao insucesso as empresas no Brasil, evidenciando que um dos principais fatores que tem contribuído para essa situação é a falta de capital de giro (51% das respostas), elemento crucial para o fechamento das empresas segundo os empresários, vindo a seguir a elevada carga tributária(34%), fator apontado em outras pesquisas correlatas do SEBRAE. Acrescentando aos dois fatores problemas financeiros, concorrência muito forte, existência de maus pagadores, falta de clientes, localização inadequada, recessão econômica e ausência de habilidades para gerenciar o negócio. A pesquisa SEBRAE afirma que "a alta mortalidade das empresas no Brasil está fortemente relacionada, em primeirolugar, a falhas gerenciais na condução dos negócios, seguida de causas econômicas conjunturais e tributárias" (SEBRAE, 2004, p.16)
Porém, os resultados indicam que a taxa de mortalidade de empresas ainda é relativamente elevada. O relatório do Sebrae também identifica as principais causas que levam ao fechamento das empresas:- comportamento empreendedor pouco desenvolvido; falta de planejamentoprévio; gestão deficiente do negócio; insuficiência de políticas de apoio; flutuações na conjuntura econômica; problemas pessoais dos proprietários.
Segundo o Sebrae há duas principais variáveis que leva ao fechamento de uma empresa nos primeiros 2 anos, é que o empresário não tem a capacidade de ser gestor da sua própria empresa e não aprende as ferramentas de gestão.
Portanto essasmortalidades estão ligadas à falta de planejamento e a erros na administração, principalmente nos primeiros anos de vida, segundo estudos do Sebrae, serviço de apoio à micro e pequena empresa. Entretanto podemos salientar seis erros mais comum dos empresários.
Falta de planejamento: Muitos empresários começam a atuar sem fazer um plano de negócio. Antes de abrir uma empresa, é preciso estudar todos os...