Monteiro Lobato

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 3 (592 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 7 de janeiro de 2014
Ler documento completo
Amostra do texto

Pré-Modernismo - Monteiro Lobato

O Pré-Modernismo no início das duas primeiras décadas do sec.XX, período em que os movimentos literários (Realismo, Naturalismo, Parnasianismo e Simbolismo) seapresentaram como períodos ecléticos (mistura); os artistas brasileiros não sabiam para onde deveriam direcionar sua arte e por causa dessa miscelânea da arte, resolveram dar um "basta" a essamistura, realizando nos dias 13, 15 e 17 de fevereiro de 1922 no Teatro Municipal em São Paulo, a "Semana da Arte Moderna" e com sua realização se tem o termino do Pré-Modernismo e início de um novo períodoliterário, o Modernismo.


Um dos principais autores do Pré-Modernismo é Monteiro Lobato que foi um dos autores que se preocupavam em mostrar o Brasil que a população não conhecia em suas obras. Monteiro Lobato foi um pré-modernista graças a duas características fundamentais presentes em suas obras: o regionalismo e a denúncia da realidade brasileira.

Como regionalista atuouexibindo um Brasil rural, dando ênfase aos sentimentos, aos tons satíricos, aos costumes patéticos, a decadência e a característica de sua gente. Também criou um esboço do caboclo vagabundo, exibindo aimagem típica de um caboclo das regiões do interior brasileiro.

Ele também investiu sempre em espécie de metáforas do Brasil, narrando aventuras de seus personagens e de certa forma tentandoconscientizar o publico infanto-juvenil sobre alguns dos problemas mais comuns enfrentados pela população brasileira.



Pré-Modernismo


Jeca Tatu


Jeca Tatu é um personagem criado por MonteiroLobato em seu livro Urupês.
O livro contém doze histórias baseado no trabalhador rural paulista. Simboliza a situação do caboclo brasileiro, abandonado pelos poderes públicos às doenças, principalmente aAncilostomose (ou Amarelão), seu atraso e à indigência.
Jeca Tatu era um pobre caboclo que morava no mato, numa casinha de sapé. Vivia na maior pobreza, em companhia da mulher, muito magra e feia...